Presidente da Câmara, Arthur Lira foi o principal articulador do orçamento secreto neste ano
Pablo Valadares/ Câmara dos Deputados
Presidente da Câmara, Arthur Lira foi o principal articulador do orçamento secreto neste ano

Recheado de polêmicas, mudanças e divergências, o ano de 2021 resolveu jogar um pouco mais de lenha na fogueira na economia do país neste fim de ano. Precisando aprovar pautas ideológicas e convencer parlamentares a apoiar as ações governistas, o Palácio do Planalto resolveu distribuir o principal desejo de deputados e senadores: o dinheiro.

Sem ter grande apreço no Congresso Nacional, o presidente Jair Bolsonaro, então sem partido, quebrou sua promessa de campanha e passou a se alinhar com o centrão — grupo político de maioria no Congresso que troca apoio ao governo por cargos. Entre as negociações, o governo sugeriu apoiar o nome de Arthur Lira (Progressistas-AL) para assumir a presidência da Câmara dos Deputados. Um aliado que se tornaria peça-chave das pautas governistas em 2021.

No começo da disputa pela presidência da Câmara, Lira estava atrás do deputado federal Baleia Rossi (MDB-SP), nome indicado pelo ex-presidente da Casa, Rodrigo Maia. Em meio aos acordos, o deputado de Alagoas passou de coadjuvante a protagonista e mudou o jogo a seu favor.

Eleito, Lira passou a negociar com Bolsonaro e seus ministros as prioridades para o ano. Ouviu do Planalto que a economia seria fundamental para recuperar o crescimento do país após um ano conturbado como o de 2020, marcado pelo início da pandemia de Covid-19 e o estado de calamidade pública.

O primeiro desafio foi a Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2021, que prevê gastos da União para o ano. Segundo a Constituição, a matéria deveria ser votada em dezembro do ano anterior, mas as divergências entre Maia e Bolsonaro, além do pico de casos de Covid-19 no país, atrasaram os planos.

A polêmica no texto ficou por conta de diversas alterações em valores destinados aos ministérios feitas pelo relator da matéria, senador Márcio Bittar (MDB-AC). As verbas seriam destinadas para emendas parlamentares, o que aumentou ainda mais as desconfianças sobre o texto. Embora as divergências tenham sido muitas, o governo conseguiu a aprovação do texto.

Se não tem voto, use o dinheiro

O ano correu conforme esperado pelo governo. Apoiado pela maioria do Congresso, vendo as pautas do interesse serem discutidas com maior agilidade e aquelas não tão importantes para a ala política sendo jogadas para escanteio.

Mesmo com Bolsonaro rechaçando a possibilidade, os congressistas pressionaram o governo a renovar o auxílio emergencial até o fim deste ano. Esse foi o menor dos pesares para o Planalto.

As falas antidemocráticas de Bolsonaro, os ataques contra o Supremo Tribunal Federal (STF) e as disputas sobre textos do Congresso fizeram deputados e senadores se afastarem do presidente. A perda de apoio no Legislativo foi sentida pelo Planalto, que logo tratou de reconquistar os votos necessários.

Lira e Bolsonaro, então, encontraram uma solução: as emendas de relator, mais conhecidas como Orçamento Secreto. O dispositivo libera emendas parlamentares sem carimbo, ou seja, sem fiscalização para onde o dinheiro vai.

Essa emenda permite que o nome do deputado responsável pela indicação do destino da verba fique oculto e a finalidade seja definida pelo relator do Orçamento, que muda ano a ano. Em 2021, por exemplo, a maioria das verbas foram destinadas para compra de equipamentos de obras, como tratores.

Lira também foi beneficiado. A cidade de Barra de São Miguel (AL), por exemplo, governada por Benedito de Lira, pai do presidente da Câmara, recebeu R$ 3,8 milhões provenientes de emendas do relator.

Ao cobrar uma tramitação mais ágil das reformas administrativa e tributária, o Ministério da Economia ouviu que os textos traziam inconsistências e as divergências sobre as propostas eram muitas. Precisando, pelo menos, da reforma do Imposto de Renda para dar uma folga no Orçamento do próximo ano, o governo partiu para o ataque. Ofereceu as emendas de relator para deputados que votassem a favor das pautas governistas, em uma espécie de "Mensalão", mas sem pagamento mensal.

Leia Também

Leia Também

Leia Também

Leia Também

Deputados viram nessa oportunidade uma forma de angariar votos para 2022  e conseguir apoios de prefeitos e vereadores de seus redutos eleitorais.

Com essa "arma", Lira, enfim, resolveu pautar a reforma do IR e conseguiu a aprovação. A vitória deu uma sensação ao Planalto de que tinha o Congresso na mão. No Senado, porém, o texto não avançou.

Resistência na PEC dos Precatórios, mas solução a vista

Em meio a queda de popularidade do presidente Jair Bolsonaro e a necessidade de alavancar a aprovação do governo para as eleições de 2022, o Palácio do Planalto passou a concentrar seus esforços em um novo programa social para substituir o Bolsa Família. A intenção era tirar a vinculação da imagem do programa ao ex-presidente Lula (PT), seu principal adversário no próximo pleito.

A criação do Auxílio Brasil, no entanto, enfrentou problemas devido ao orçamento enxuto da União para 2022. O Ministério da Economia encontrou na PEC dos Precatórios uma forma de viabilizar os pagamentos.

A proposta sofreu forte resistência de deputados e, até o dia da votação em plenário, tinha chances de ser reprovada pela Câmara. Arthur Lira tomou frente das negociações e passou a oferecer emendas para aprovação da matéria.

Entre manobras e diversas discussões, o texto foi aprovado, com 5 votos a mais do que o mínimo necessário (308 votos). Ao chegar no Senado, mais resistência, mas os acordos feitos com o centrão  fizeram o governo vencer mais uma no Congresso Nacional.

Rosa Weber: a pedra no sapato do Planalto

Em meio as discussões sobre a PEC dos Precatórios no Legislativo, a ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), Rosa Weber, colocou um tempero salgado no jantar dos congressistas. Em decisão monocrática, ela proibiu o uso das emendas de relator por tempo indeterminado. A matéria foi para discussão no plenário da Corte,  onde a maioria concordou com a liminar da ministra.

Arthur Lira e o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), logo trataram de reagir contra a determinação do STF e conversaram com os ministros sobre a importância da emenda. Eles justificaram que a RP-9 — nome oficial da emenda — "muda a vida dos brasileiros" .

Entre uma reunião e outra, Lira e Pacheco conseguiram convencer os magistrados e Rosa Weber liberou o uso das emendas. A proposta voltou para a discussão do plenário do STF,  que seguiu a decisão da ministra.

Previsão para 2022

As polêmicas sobre a destinação de recursos do orçamento secreto fizeram os congressistas acenderem o alerta nos corredores do Legislativo. A LOA de 2022 já estava em discussão quando deputados e senadores decidiram alterar algumas regras.

A proposta aumenta a transparência das emendas a partir de 2022. Além do valor, cidade e para qual projeto o dinheiro foi destinado, a União também deverá informar o nome do parlamentar que recebeu a emenda. A medida, entretanto, não valerá para as verbas distribuídas entre 2020 e 2021.

Segundo o projeto, o valor destinado para o orçamento secreto de 2022 não poderá passar a soma das emendas individuais e de bancada. A previsão é que o  valor destinado para a RP-9 se aproxime de R$ 17 bilhões.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários