Tamanho do texto

Guedes diz que venda das empresas pode chegar até R$ 1 trilhão se houver valorização; equipe econômica estuda modificações na lei do teto de gastos

Guedes diz que privatização de estatais pode gerar R$ 802 bilhões para o Brasil
Daniel Ramalho/AFP
Guedes diz que privatização de estatais pode gerar R$ 802 bilhões para o Brasil


A privatização de todas as empresas estatais do País poderia render pelo menos R$ 802 bilhões para a economia brasileira, afirmou o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, nesta quinta-feira (29). A informação foi levantadas pela Secretaria Tesouro Nacional.

Leia também: Mourão defende "privatizar o que tiver que ser privatizado" e cobra reforma

De acordo com os dados, caso a privatização das 144 companhias estatais do Brasil acontecesse, o País poderia faturar entre R$ 802 bilhões e R$ 1 trilhão, já que algumas dessas empresas poderiam ter aumento de valor durante o processo de vendas, que tende a ser gradual. 

Essa conta,  no entanto, inclui empresas como Petrobras, Eletrobras, Banco do Brasil (BB) e Caixa Econômica Federal, citadas pelo presidente eleito Jair Bolsonaro como estatais que não serão postas a venda. 

Ontem (29), o futuro presidente afirmou que a privatização de empresas consideradas estratégicas para o País não vão acontecer. "Algumas privatizações ocorrerão. Outras, estratégicas, não. Banco do Brasil e Caixa Econômica não está no nosso radar ", disse. Bolsonaro também já sinalizou resistência a venda da Petrobras e da Eletrobras, e declarou que apenas "braços" dessa companhia podem ser negociados .

Para Paulo Guedes , entretanto, a desestatização é um dos caminhos para o alívio da dívida pública. O futuro "superministério" da Economia (que vai incorporar Fazenda, Planejamento e Indústria, Comércio Exterior e Serviços), que será comandado por ele, terá seis secretarias especiais , entre elas a Secretaria de Desestatização e Desmobilização, que será comandada por Salim Mattar . De acordo com Guedes, o objetivo da secretaria é levar adiante uma série de privatizações para reduzir a dívida pública , o volume de juros pagos pelo governo e aumentar a confiança do mercado financeiro na economia brasileira.

Além de privatização, controle no teto de gastos também é estudado para reduzir dívida pública

Jair Bolsonaro se disse contrário à privatização de empresas consideradas estratégicas
Flickr/ Governo de Transição
Jair Bolsonaro se disse contrário à privatização de empresas consideradas estratégicas


Para ajudar a conter os gastos do governo federal, a equipe econômica do governo Bolsonaro estuda um aperfeiçoamento na lei do teto de gastos , que atualmente limita as despesas públicas a partir da inflação.

Segundo Guedes, a tendência é que o teto de gastos não seja cumprido, já que a previsão é de que, em 2019, as despesas obrigatórias do governo consumam 93% do Orçamento federal, número que deve continuar subindo nos próximos anos. "Tem uma lei que diz que não pode furar o teto. Tem outra lei que diz que 96% do Orçamento está carimbado. O Brasil vai ser ilegal de um jeito ou de outro, ou vai estourar o teto ou vai desindexar os gastos", disse.

Leia também: Auditores entregam proposta de reforma tributária à equipe de Bolsonaro

De acordo com o futuro ministro, uma possível saída para o problema é desvincular todo o Orçamento federal, retirando todas as regras de despesas obrigatórias. Outro ponto importante para o alívio das dívidas públicas, além da privatização , e para o ajuste com o teto de gastos, é a reforma da Previdência , que atualmente é o maior gasto do governo. "O teto sem a reforma cai. Ele é insustentável", declarou Guedes.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.