Tamanho do texto

Empresas consideradas estratégicas não serão privatizadas; ele também disse achar a reforma da Previdência de Temer "um pouquinho agressiva"

Bolsonaro diz que não haverá privatização da Caixa e do Banco do Brasil no seu mandato
Reprodução/Flickr/Governo de Transição
Bolsonaro diz que não haverá privatização da Caixa e do Banco do Brasil no seu mandato


O presidente eleito Jair Bolsonaro declarou, nesta quinta-feira (29), que a privatização do Banco do Brasil (BB) e da Caixa Econômica Federal não devem acontecer durante sua gestão. A afirmação foi feita após a saída de Bolsonaro de um evento na Vila Militar, no Rio de Janeiro.

Leia também: ia também: Auditores entregam proposta de reforma tributária à equipe de Bolsonaro

De acordo com o futuro presidente, a privatização de empresas consideradas estratégicas para o País não vão acontecer. "Algumas privatizações ocorrerão. Outras, estratégicas, não. Banco do Brasil e Caixa Econômica não está no nosso radar, disse.

Ele também citou a importância de estudar a venda de cada estatal antes de tomar uma decisão. "Não é jogar para cima e ficar livre. Qualquer privatização tem que ser responsável", afirmou. 

Antes de ser eleito, Bolsonaro já havia dito ser a favor das privatizações, mas com resistência a empresas consideradas “estratégicas” ao Estado, como a Eletrobras e a Petrobras. Na época, às vésperas do segundo turno das eleições 2018, o então candidato havia citado o Banco do Brasil, a Caixa Econômica Federal e a Furnas como outros exemplos de estatis que não planejava ceder à iniciativa privada.

Novos presidentes da Caixa e do BB falam em privatização

Rubem Novaes falou sobre a privatização do Banco do Brasil
Reprodução
Rubem Novaes falou sobre a privatização do Banco do Brasil



O economista Rubem Novaes , indicado para assumir a presidência do Banco do Brasil durante o governo de Jair Bolsonaro afirmou, na quinta-feira passada (22), que deve  "privatizar o que for possível" dentro da instituição financeira.  Segundo ele, essas foram as recomendações recebidas tanto de Paulo Guedes , futuro superministro da Economia, como do próprio presidente eleito.

De acordo com Novaes, a possibilidade de privatização total da instituição financeira foi descartada. Ele declarou, entretanto, que "braços" do banco devem ser colocados à venda.

Pedro Guimarães , indicado por Paulo Guedes para comandar a Caixa Econômica Federal no governo Bolsonaro, é sócio do banco de investimentos Brasil Plural e especialista em processos de privatizações. O futuro presidente da Caixa acompanhou, por exemplo, a privatização do Banespa, antigo banco estadual de São Paulo.

Reforma de Temer é "um pouquinho agressiva"

Além de privatizações, Bolsonaro fez declarações sobre a reforma da Previdência:
Wilson Dias/Agência Brasil
Além de privatizações, Bolsonaro fez declarações sobre a reforma da Previdência: "[a de Temer] é um pouquinho agressiva", disse


O presidente eleito também aproveitou a ocasião para falar sobre a reforma da Previdência . Para ele, é improvável que uma aprovação aconteça ainda neste ano. "No corrente ano é dificil qualquer reforma andar", disse. "O Parlamento está dividido porque metade não se reelegeu".

Leia também: Novo Congresso estará mais sensível a aprovar Previdência, diz Flávio Bolsonaro

Além de se declarar contrário a privatização do Banco do Brasil e da Caixa, Bolsonaro também afirmou que vai oferecer uma nova proposta de reforma no início de sua gestão, já que considera o texto de Michel Temer "um pouquinho agressiva para com o trabalhador". 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.