Bolsa cai e dólar sobe, de olho na alta dos juros
Luciano Rocha
Bolsa cai e dólar sobe, de olho na alta dos juros

A Bolsa cai enquanto o dólar opera em alta nesta segunda-feira (14). Os investidores seguem acompanhando o desdobramento dos conflitos entre Rússia e Ucrânia em semana marcada por decisões de juros no Brasil e nos Estados Unidos.

Por volta de 13h, o Ibovespa tinha baixa de 1,26%, negociado a 110.302 pontos. As quedas de empresas ligadas a commodities, como a Vale e a Petrobras, pressionavam o principal índice da B3.

No mesmo horário, a moeda americana tinha alta de 0,39%, negociada a R$ 5,0780.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia.

Guerra e juros

Uma nova rodada de negociações oficiais entre a Ucrânia e a Rússia  foi suspensa nesta segunda-feira e será retomada amanhã. Membros dos dois países emitiram mensagens positivas antes do encontro, o que dá impulso para as bolsas europeias no pregão.

No entanto, as forças russas seguem avançando em direção à Kiev e iniciaram um bombardeio em um distrito na periferia da cidade, nesta segunda-feira.

Com a guerra se arrastando, o mercado segue recalculando os seus efeitos para a economia mundial. A disparada de commodities estratégicas, como o petróleo, pressionam uma inflação global, que já estava alta.

E justamente para combater o avanço dos preços, os bancos centrais do Brasil e dos Estados Unidos devem elevar os juros básicos na quarta-feira.

Na reunião do Federal Reserve, banco central americano, a expectativa é de elevação na casa dos 0,25%.

"Sem sinais de que uma definição sobre o tema está próxima, a tendência é que o mercado siga sensível ao noticiário e que, portanto, tenhamos novas sessões marcadas pela alta volatilidade", destacaram analistas da Guide Investimentos em relatório matinal.

Boletim Focus: mais inflação

Na cena interna, os investidores repercutem as últimas projeções contidas no  Boletim Focus, divulgado pelo BC.

As estimativas para a inflação ao final do ano subiram pela nona semana consecutiva, chegando ao patamar de 6,45% ante os 5,65% da última leitura. O número é superior ao teto da meta do BC, que é de 5%.

Para o término de 2023, a taxa subiu de 3,51% para 3,70%.

No caso da Selic, a projeção passou de 12,25% para 12,75%. Para o final de 2023, as expectativas saltaram de 8,25% para 8,75%.

Também continuam no radar as discussões sobre como frear a alta dos combustiveis.  Depois de sancionar o projeto que unifica a cobrança do ICMS sobre combustíveis em todo o país, o presidente Jair Bolsonaro (PL) não descartou, durante participação em evento político realizado no sábado, adotar medidas mais incisivas contra o aumento da gasolina e do diesel, como a introdução de subsídios ou até mesmo uma mudança na política de preços da Petrobras.

Leia Também

Vale e Petrobras caem

O anúncio de  novas restrições sanitárias contra a Covid-19 na China provocou a queda do minério de ferro negociado no país. Com isso, papeis da Vale e de siderurgicas caíam enquanto as ações dos bancos sobem.

O novo surto fez com que a cidade de Shenzen, pólo industrial no sul do país, fosse isolada.

A medida forçou a suspensão das atividades em uma fábrica de iPhone e motivou a imposição de restrições em outras grandes metrópoles, como Xangai.

As ordinárias da Petrobras (PETR3, com direito a voto) cediam 1,15%, e as preferenciais (PETR4, sem direito a voto), 1,72%, em linha com a baixa do petróleo no mercado internacional.

As ordinárias da Vale (VALE3) cediam 5,25%, e as da Siderúrgica Nacional (CSNA3), 4,29%.

As preferenciais da Usiminas (USIM5) caíam 3,19%.

No setor financeiro, as preferenciais do Itaú (ITUB4) e do Bradesco (BBDC4) tinham altas de 2,25% e 2,08%, respectivamente.

Petróleo tem forte queda

Os preços do petróleo registram forte queda nesta segunda-feira, afetados não só pelos possíveis avanços nas negociações entre Ucrânia e Rússia, mas também pelo confinamento na cidade de Shenzhen, centro tecnológico no sul da China.

Por volta de 12h50, no horário de Brasília, o preço do contrato para maio do petróleo tipo Brent caía 6,47%, negociado a US$ 105,38, o barril.

Já o preço para abril do petróleo tipo WTI cedia 7%, cotado a US$ 101,68, o barril.

Bolsas na Europa sobem

As bolsas americanas operavam com direçoes contrárias. Por volta de 13h, em Brasília, o índice Dow Jones subia 0,74% e o S&P, 0,12%. A Bolsa Nasdaq caía 0,98%.

Na Europa, as Bolsas operam em alta. No mesmo horário, a Bolsa de Londres subia 0,67%, e a de Frankfurt, 2,57%. A Bolsa de Paris avançava 2,18%.

Na Ásia,  o mercado ainda se ressente da guerra provocada pela Rússia e também pelo novo surto de Covid-19. Na China, o índice blue-chip CSI300 fechou com queda de 3,06%, enquanto que o SSE Composite Index da Bolsa de Xangai recuou 2,6%, a maior queda diária do índice desde 24 de julho de 2020.

Embora o índice Nikkei, da Bolsa de Tóquio, tenha fechado em alta de 0,58%, o índice Hang Seng, da Bolsa de Hong Kong, registrou forte queda de 4,97%. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários