China coloca seu “Vale do Silício” em lockdown, fecha fábricas e ameaça economia global
Felipe Moreno
China coloca seu “Vale do Silício” em lockdown, fecha fábricas e ameaça economia global

A cidade de Shenzhen, de 17,5 milhões de habitantes, foi colocada em lockdown neste domingo (13). O governo local acredita ser essa a melhor alternativa após encontrar 66 novos casos de Covid, levando o total para 400 desde o final de fevereiro. O lockdown vai durar uma semana e as autoridades vão testar a população inteira três vezes durante este período.

A China tem uma política de Covid zero, com lockdowns e fechamentos para acabar com a transmissão toda vez que ela aparece – com isso, teve apenas 116 mil casos reportados na população de 1,3 bilhão de pessoas, com apenas 4.636 mortes. Por mais que os números chineses sejam colocados em dúvida por muitos ocidentais, o gigante asiático tem uma agressiva política contra a Covid e permaneceu com a maior parte do país aberta enquanto o resto do mundo estava fechado.

Leia Também

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia 

Os lockdowns localizados, porém, fazem a economia parar e desacelerar. As três piores cidades para ocorrer um lockdown seriam Beijing (antiga Pequim, capital do país), Shanghai e Shenzhen. Talvez a terceira, que entrou em lockdown agora, seja ainda pior de todas: conhecida como o “Vale do Silício chinês”, Shenzhen é o local onde boa parte dos eletrônicos do mundo é fabricado, além de suas partes e componentes. A interrupção da economia local, portanto, afeta toda a cadeia de suprimentos do mundo.

A Foxconn pausou as operações de suas fábricas, uma das quais que fabrica iPhones. A empresa é a maior produtora de eletrônicos do mundo, produzindo boa parte dos notebooks, videogames e celulares que estão disponíveis no mercado global – o que deverá piorar ainda mais a onda de inflação vista pelo planeta.

Veja a matéria completa no site do 1Bilhão

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários