Paulo Guedes
Felipe Moreno
Paulo Guedes

O ministro da Economia, Paulo Guedes, deu indícios nesta segunda-feira (21) que pretende continuar no cargo em um eventual segundo mandato do presidente Jair Bolsonaro, mas não garantiu a permanência. Como condição, Guedes diz que o Brasil precisa manter a aliança entre conservadores e liberais que elegeram Bolsonaro. 

"Se vejo que essa aliança está seguindo, estou entusiasmado. Agora, se for um governo só conservador…", ponderou Guedes em entrevista à Jovem Pan News no fim da noite desta segunda-feira.

"Acredito no caminho da prosperidade, e acho que o presidente Bolsonaro quer fazer esse caminho. Mas tem gente que quer desviá-lo. Enquanto eu tiver a confiança e o entusiasmo dele, nós vamos estar juntos", completou.

Ele demonstrou confiança para as eleições deste ano, justificando que a "centro-direita está derrotando a esquerda" nas urnas e citou 2018 e 2020 como exemplos.

Na avaliação de Guedes, a gestão bolsonarista deve continuar no poder. "O que nós temos que fazer é mais do que estamos fazendo, e ir aperfeiçoando."

Ele diz não se arrepender de ter aceitado o cargo, e que seu "julgamento será feito pela história". 

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia 

Reajuste 

Enquanto o presidente Jair Bolsonaro  avalia conceder um reajuste linear de R$ 400 para todos os servidores da União neste ano, Guedes  se mostra contrário e teme esbarrar na Lei Eleitoral. 

Leia Também

Guedes destacou que o funcionalismo "merece aumento", mas que a possibilidade está esbarrando no teto de gastos.

"Separamos o recurso para atender o presidente em relação a salários dos policiais. E a decisão é se concede reajuste e os outros servidores de outras categorias ficam insatisfeitos", falou o ministro.

Crescimento do PIB

O ministro contrariou as previsões do mercado e disse que o PIB (Produto Interno Bruto) cresce 1,5% em 2022, ao contrário dos 0,3 apontados no Boletim Focus.  “Eles vão errar outra vez. Eu não tenho a menor dúvida” .

O ministro aproveitou para criticar previsões de órgãos internacionais: “Toda hora fazem previsões em que subestimam o Brasil e superestimam o que acontece com eles. Na verdade, nós vacinamos mais do que eles. Nós crescemos mais do que a média. Esse ano vai acontecer a mesma coisa”, afirmou.

Guedes criticou políticas adotadas anteriormente nas estatais

O ministro  reprovou os monopólios de energia nacionais , controlados pelas estatais Petrobras e Eletrobras.

“Nós somos vítimas, prisioneiros, de 2 monopólios verticalizados há décadas: a Petrobras e a Eletrobras, que controlavam tudo. A Eletrobras controlava a geração, a transmissão, a distribuição [de energia elétrica], e a Petrobras, a extração, o transporte e a distribuição [de petróleo]”, afirmou.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários