Ministro do Trabalho disse que o pós-pandemia traz empregos de menor qualificação
Reprodução: iG Minas Gerais
Ministro do Trabalho disse que o pós-pandemia traz empregos de menor qualificação

O recuo na taxa de desemprego que ficou em 12,6% no trimestre encerrado em setembro , uma queda em relação aos 14,2% registrados em junho, não mascarou a realidade: o brasileiro está ganhando menos em postos de menor qualificação. Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o salário médio caiu 4% no 2º trimestre de 2021.

Para o ministro Onyx Lorenzoni, do Trabalho e Previdência, a renda menor é "natural" no contexto de recuperação econômica pós-pandemia. 

"É natural que, no meio de uma economia de guerra, os primeiros empregos sejam os empregos de mais fácil preenchimento, de menor rentabilização”, afirmou durante o Enic (Encontro Nacional da Indústria da Construção), evento realizado pela CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção) em Brasília nesta terça-feira (30).

Ele minimizou a queda na massa salarial comparando o Brasil aos países vizinhos. 

“Em relação à crítica de que o emprego hoje tem valor menor… Gente, nós temos empregos. Pergunta para os argentinos se eles têm emprego. Pergunta para os mexicanos se têm emprego, pergunta para a Colômbia”.

A taxa de desemprego na Argentina é de 9,6% segundo o Instituto Nacional de Estatística e Censos (Indec), e na Colômbia de 13%, informou a Bloomberg.

Leia Também

Onyx segue confiante que a retomada econômica ajudará a melhorar o rendimento, mas economistas do mercado financeiro já falam em recessão em 2022. 

“Tem que ser construída uma plataforma que permita a transição da informalidade para a formalidade. Esse caminho só vai acontecer, principalmente com os jovens nem, nem, à medida que tenham oportunidade”, afirmou o ministro. 

Lorenzoni aposta no projeto batizado de  "minirreforma trabalhista"  para retomar o emprego. A proposta já  foi derrubada pelo Senado , mas o ministro afirmou que o governo tentará retomar pontos da medida. Entre os programas previstos no texto, havia previsão de uma nova modalidade de emprego com a contratação de jovens sem carteira assinada.

“O projeto está pronto e deverá ser apresentado na virada do ano. Vai atender administrações municipais e empresas. Estamos discutindo se vem por medida provisória ou projeto de lei”, afirmou. Para ele, essa experiência profissional permitirá que esses jovens entrem no mercado de trabalho formal.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários