Tamanho do texto

Para o presidente da CCJ da Câmara dos Deputados, reforma deve receber mais de 40 votos favoráveis do total de 66; depois de algumas tentativas, votação está marcada para acontecer na tarde desta terça-feira (23)

Presidente da CCJ da Câmara dos Deputados, Felipe Francischini
Cleia Viana/Câmara dos Deputados
Felipe Francischini acredita que reforma da Previdência terá mais de 40 votos favoráveis na CCJ


O presidente da Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados, Felipe Francischini (PSL-PR), disse nesta segunda-feira (22) que a votação da reforma da Previdência, marcada para acontecer amanhã (23) deve ter um resultado favorável à aprovação.

Leia também: Sigilo prova que Previdência "não é justa e nem necessária", diz Manuela D'ávila

Segundo ele, há uma "boa margem de votos" a favor da nova Previdência . Francischini considera que, dos 66 membros da CCJ, mais de 40 devem votar pela aprovação do parecer do relator, deputado Marcelo Freitas (PSL-MG), sobre o texto.

O presidente da CCJ considerou que os ajustes no texto da reforma , acordados entre o governo federal e os líderes do partido, devem facilitar a aprovação. No entanto, a oposição ainda conta com 12 parlamentares, que devem continuar, como na reunião da semana passada, a tentar manobras regimentais para atrasar os trabalhos . Mesmo assim, Francischini espera que a votação seja tranquila.

Ele disse, ainda, que o governo tinha condições de já ter aprovado o relatório inicial de Freitas em sua primeira apresentação, na semana retrasada. No entanto, as liderenças consideraram que havia de risco de perder alguns votos, o que obrigou o governo a negociar.

Leia também: "Não sei se foi a melhor decisão", diz Maia sobre sigilo da Previdência

Francischini lembrou que é importante não perder votos nessa primeira fase de tramitação da reforma já que dificilmente eles seriam recuperados nas etapas seguintes. Partidos que compõem o chamado centrão, como PR e PP, ameaçavam se alinhar às legendas da oposição na CCJ, que são contrárias à reforma da Previdência . As concessões foram feitas justamente para ter apoio da maioria na votação do relatório.