Tamanho do texto

Um dia após faltar a encontro na CCJ que iniciou os debates em relação a reforma, o ministro vai a Comissão de Assuntos Econômicos, no Senado

Paulo Guedes reforça necessidade de reformar a Previdência em audiência no Senado
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Paulo Guedes reforça necessidade de reformar a Previdência em audiência no Senado

O ministro da Economia, Paulo Guedes, participa na tarde desta quarta-feira (27) de audiência da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), no Senado Federal, onde reitera a importância da reforma da Previdência para o País, trilhando o caminho do descontrole dos gastos públicos na história brasileira e buscando esclarecer os efeitos que a aprovação da nova Previdência teria. Segundo ele, o atual modelo previdenciário é como um "avião caindo".

Leia também: Mourão critica reajuste do salário mínimo acima da inflação

Paulo Guedes  defende que o controle estatal da economia fez com que a situação fiscal chegasse a crise que hoje enfrenta. Segundo ele, as prioridades do governo são justamente quebrar essa linha construída no País, abrindo a economia e promovendo reformas que busquem modernizar e integrar o Brasil no mercado internacional.

O ministro cita os desafios da descentralização econômica, citando questões orçamentárias e as formas de tentar controlar os gastos públicos tendo gastos tão excessivos. Segundo ele, a reforma da Previdência  não vem para "resolver por um ano", mas sim para "redesenhar as finanças públicas" e tornar factível os gastos com servidores, aposentadorias e outros gastos obrigatórios.

Acompanhe ao vivo a participação de Guedes no Senado:


A "hipertrofia" dos gastos entre estados e municípios e a União é apontada por Guedes como um problema grave que precisa ser corrigido. A busca é, segundo ele, construir um pacto federativo de defesa e integração entre Congresso e Executivo para conseguir aprovar a nova Previdência e promover mudanças na forma com que são geridos os recursos públicos.

Sobre a situação dos estados, Guedes cita as dívidas herdadas pelos governadores eleitos em outubro de seus antecessores. Segundo ele, alguns foram "eleitos na hora errada" e terão muita dificuldade para tentar gerir estados com gravíssimas complicações financeiras, resultado de uma série de gestões que perpetuavam os atuais problemas apontados pelo governo Bolsonaro, como a alta de gastos. Segundo o ministro, sobretudo em caso de não aprovação de reforma da Previdência, a situação tende a piorar.

O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) diz que não há uma grande oposição à reforma da Previdência, e que há "quase um consenso" de que aprovar a proposta é a melhor solução para o momento. Jereissati cita preocupação com "criar uma oposição que não existe", muito presente nos discursos de Guedes e, sobretudo, o presidente Bolsonaro. 

O tucano cita a derrota do governo na votação da  PEC do Orçamento e diz acreditar que seja uma parte natural do processo, que derrotas acontecem, e que governo e equipe econômica precisam seguir defendendo a importância das reformas e da modernização da economia brasileira.

Jereissati disse entender que acha a equipe econômica do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso foi composta por integrantes "de esquerda". "Gustavo Franco [integrante do governo FHC] é mesmo um comunista perigoso", disse o senador, rindo. Guedes respondeu dizendo que nunca houve uma 'liberal democracia' no País, e que a eleição determinou a substituição de "30 anos de centro-esquerda por um governo de centro-direita", que tenta ser mais liberal economicamente.

A senadora Eliziane Gama (PPS-MA) cita a aposentadoria rural e as mudanças no Benefício de Prestação Continuada (BPC) como alguns dos problemas da proposta original apresentada pelo governo , se apresentando como mulher, nordestina e alguém que compreende a realidade dos trabalhadores do campo. Ela questiona Guedes sobre esses pontos, a economia superior a R$ 1 trilhão em dez anos e se o ministro deixaria o cargo caso a reforma da Previdência não seja aprovada.

O ministro disse que o governo enviou a proposta, o texto está pronto, e que agora cabe ao Congresso negociar os pontos que desagradarem, desde que a economia trazida pela reforma em 10 anos não seja de menos de R$ 1 trilhão . "Se a mulher quer aposentar antes, vocês podem ir lá e mexer nisso. Aí que não aposenta é o trabalhador rural", afirmou. Segundo o ministro, portanto, as definições de mudanças deverão partir dos parlamentares, e que deve haver negociação a partir disso, desde que a economia do projeto em uma década esteja na casa do trilhão.

Leia também: Com PEC do Orçamento e incertezas na Previdência, dólar sobe e vai a R$ 3,96

"Cada um vai fazer o seu papel. Eu não tenho a menor dúvida disso. Eu estou aqui para servir, mas não tenho apelo ao cargo. Se ninguém quiser aprovar, eu volto para o que sempre fiz. Eu tenho uma vida fora daqui", respondeu Paulo Guedes sobre sua permanência no cargo caso a reforma não seja aprovada. Ele disse ainda que defende a liberalização da economia e tem "boas ideias" para contribuir com o País, mas que, se parlamentares, senadores e Executivo não estiverem de acordo, não há razão para permanecer. Segundo ele, o momento é de defender a aprovação da Previdência e promover as mudanças necessárias.