Tamanho do texto

Combinadas, as três áreas consumiram 33,7% do PIB do País em 2016, deixando o Brasil atrás apenas de Dinamarca, Finlândia, Noruega e Suécia

O Tesouro, a Previdência e o Banco Central gastaram, juntos, 33,7% do PIB (Produto Interno Bruto) em 2016
Lula Marques/Agência PT
O Tesouro, a Previdência e o Banco Central gastaram, juntos, 33,7% do PIB (Produto Interno Bruto) em 2016

O Governo Central – Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central (BC) – gasta muito em despesas que distorcem a distribuição de renda, segundo relatório divulgado na última terça-feira (18) pelo Tesouro. O estudo comparou os gastos públicos brasileiros com 54 países, utilizando a metodologia da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e da Organização das Nações Unidas (ONU).

Leia também: No Brasil, gasto com servidores públicos chegou a R$ 725 bilhões em 2017

O orçamento brasileiro atribui 28 funções aos gastos públicos, o que exigiu adequação aos padrões internacionais para facilitar a comparação. De acordo com a classificação da OCDE e da ONU, o Tesouro, a Previdência e o BC gastaram, juntos, 33,7% do PIB (Produto Interno Bruto) em 2016. Esse é o quinto maior volume entre os países analisados, só perdendo para os Dinamarca, Finlândia, Noruega e Suécia.

A diferença, de acordo com o relatório do Tesouro, está no fato de que os países nórdicos são ricos e têm elevada carga tributária, o que lhes dá condições de arcar com os altos gastos públicos. Além disso, o Brasil, ao contrário dos europeus, gasta muito dinheiro em funções que fornecem pouco retorno em serviços públicos.

O problema da dívida pública

Em 2016, o Brasil gastou 9,7% do PIB com os juros da dívida pública, mais que o triplo de outros emergentes (2,7%)
Reprodução
Em 2016, o Brasil gastou 9,7% do PIB com os juros da dívida pública, mais que o triplo de outros emergentes (2,7%)

Em 2016, o Brasil gastou 9,7% do PIB com o pagamento dos juros da dívida pública . A porcentagem é mais de três vezes maior que a média registrada em outros países emergentes (2,7%) e quase cinco vezes mais expressiva que a de países desenvolvidos (1,95%).

Leia também: Estudo coordenado por equipe de Bolsonaro propõe fim do Simples Nacional

A queda dos juros básicos entre 2015 e 2017 reduziu em R$ 123,6 bilhões (18%) esse tipo de despesa, mas o relatório do Tesouro aponta que o Brasil continua a gastar muito com a dívida pública. Vale lembrar que, para permitir a comparação com os demais países, o ano-base utilizado para análise foi 2016.

Discrepâncias: Judiciário, saúde e educação

Em 2016, o Brasil gastou 1% do PIB com os tribunais de Justiça, mais que o triplo da média dos países analisados (0,3%)
Luiz Silveira/Agência CNJ
Em 2016, o Brasil gastou 1% do PIB com os tribunais de Justiça, mais que o triplo da média dos países analisados (0,3%)

O relatório também considerou elevada a proporção das despesas do País com o Poder Judiciário . Em 2016, o Brasil gastou 1% do PIB com os tribunais de Justiça, mais que o triplo da média dos países analisados (0,3%). As despesas não abrangem apenas os gastos com os servidores, mas com a administração, apoio aos tribunais e o assessoramento jurídico em nome do governo.

Enquanto gasta mais que a média com o Judiciário, o País gasta menos que os emergentes com saúde. Em 2016, as despesas do Governo Central nessa área somaram 2% do PIB, contra 2,5% nos países emergentes e 3,3% nos países desenvolvidos. Os gastos federais se concentraram nas transferências do Sistema Único de Saúde (SUS) aos fundos estaduais e municipais que financiam procedimentos como tratamentos, internações e exames.

Leia também: Reajuste do STF pode aumentar os gastos da União em R$ 1,6 bilhão

Em relação à educação , o Brasil também decepciona. No ano retrasado, o País gastou 2,4% do PIB nesse setor, frente à média de 3,1% dos países pesquisados. A maior parte desse total foi destinada ao ensino superior, de competência do governo federal. Isso porque a Lei de Diretrizes e Bases da Educação estabelece a administração do ensino médio aos estados e do ensino fundamental aos municípios.

Previdência, a maior vilã

Para impedir o descontrole das despesas, o relatório do Tesouro recomenda a aprovação da reforma da Previdência
Divulgação
Para impedir o descontrole das despesas, o relatório do Tesouro recomenda a aprovação da reforma da Previdência

Quanto ao pagamento com aposentadorias e pensões, o Brasil desembolsou 12,7% do PIB em 2016, enquanto os países avançados e subdesenvolvidos gastaram 8,2% e 7,6%, respectivamente. Os países nórdicos, em média, gastaram 12,8% do PIB, mas a proporção de idosos no Brasil é bastante inferior ao dessas economias: na Finlândia, por exemplo, a população com mais de 65 anos equivale a 35,5% do total, contra 13,9% no Brasil.

Para impedir o descontrole do gastos públicos à medida que a população brasileira envelhece, o relatório recomenda a aprovação da reforma do sistema previdenciário. “Para aprofundar nesse ajuste [fiscal], é imprescindível avançar na reforma da Previdência, sem a qual não haverá controle do gasto público no Brasil”, escreveu o Tesouro.

Leia também: Paulo Guedes quer "resolver" Previdência atual antes de adotar capitalização

O Tesouro destacou ainda que a aprovação da reforma da Previdência permitirá melhorar a distribuição de renda no País, ao remanejar parte das verbas para as parcelas menos favorecidas. “Será possível melhorar [o bem-estar social no País] ao direcionar uma parcela maior do gasto público para a população mais vulnerável e não para as pessoas de maior poder aquisitivo, que se aposentam com menos de 55 anos de idade”, argumentou.


*Com informações da Agência Brasil