Tamanho do texto

Segundo o Banco Central, taxa cresceu 1,7 ponto percentual em janeiro; taxa de juros do rotativo para quem paga o mínimo do cartão também aumentou

Apesar da alta na comparação mensal, juros do cheque especial apresentaram redução em relação a janeiro de 2017
Marcelo Casal/Arquivo/Agência Brasil
Apesar da alta na comparação mensal, juros do cheque especial apresentaram redução em relação a janeiro de 2017

A taxa de juros do cheque especial  cresceu em janeiro e chegou a 324,7%, de acordo com dados divulgados nesta terça-feira (27) pelo Banco Central. Na comparação com dezembro, o aumento no índice foi de 1,7 ponto percentual. Na comparação com janeiro de 2017, no entanto, foi registrada queda de 3,6 pontos percentuais.

Leia também: Empresa pagará R$ 30 mil de indenização por impedir afastamento de gestante

Ainda de acordo com o BC, a taxa de juros do rotativo regular do cartão de crédito , voltada aos consumidores que pagaram o valor mínimo da fatura, chegou a 241% ao ano em janeiro. Em relação a dezembro, houve um aumento de 7,1 pontos na taxa. Já na comparação com o mês de janeiro do ano passado, houve queda de 191,1 pontos percentuais.

Leia também: Beneficiários do INSS têm até a próxima quarta-feira para fazer prova de vida

O crédito rotativo não regular , destinada aos consumidores que não pagaram ou atrasaram o pagamento mínimo da fatura caiu 14,6 pontos, entre dezembro e janeiro, chegando a 387,1% ao ano. Em janeiro de 2017, ela estava em 541,5% ao ano. Com isso, a taxa média na modalidade de crédito – regular e não regular – ficou em 327,9% ao ano, com queda de 6,9 pontos percentuais em relação a dezembro.

Em abril do ano passado, entrou em vigor uma nova regra do Comitê Monetário Nacional (CMN) que limita a 30 dias a permanência desses consumidores no rotativo. Depois desse prazo, as instituições financeiras devem transferir a dívida para o crédito parcelado, que costuma ser menor.

Ainda assim, a taxa do crédito parcelado aumentou 3 pontos percentuais, chegando a 171,5% ao ano em janeiro. No mesmo período, a taxa média para as famílias apresentou alta de 0,7 ponto percentual, passando para 55,8% ao ano A taxa média para as empresas também subiu 0,7 ponto percentual e passou para 22,3% ao ano.

Inadimplência do crédito fica estável

A inadimplência do crédito, considerados atrasos acima de 90 dias, para pessoas físicas, ficou estável em 5,2%. Em relação às pessoas jurídicas, houve alta de 0,3 ponto percentual, subindo para 4,8%. Os dados são do crédito livre em que os bancos têm autonomia para aplicar dinheiro capitado no mercado.

Leia também: Novo presidente do TST afirma que vai priorizar análise da reforma trabalhista

No caso do crédito direcionado – empréstimos com regras definidas pelo governo destinados, basicamente, aos setores habitacional, rural e de infraestrutura –, os juros para pessoas físicas subiram 0,2 ponto percentual e atingiram 8,2% ao ano. A taxa cobrada para as empresas subiu 0,9 ponto percentual, chegando a 11,7% ao ano. Neste caso, a inadimplência para as famílias chegou a 2,1% e para as empresas, a 1,3%.

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.