Tamanho do texto

Nas redes sociais, estabelecimento afirmou que, após posicionamento, recebeu dezenas de críticas e ameaças e pede orações aos seguidores

cervejas arrow-options
Reprodução/Facebook
Cervejaria se coloca como "católica" e defende que respeita todas as pessoas mas jamais "aceitará o pecado"

Nos últimos dias, a cervejaria mineira Saint Arnulf demonstrou seu repúdio ao movimento LGBT ao se manifestar nas redes sociais da marca sobre o tema: “Somos uma cervejaria católica ”. “A cervejaria Saint Arnulf é contra a militância LGBT e não teme perder clientes por isso. Ponto final”, afirma a imagem postada na segunda-feira (9).

Leia também: Empresa se recusa a fazer convite de casamento gay e vence causa na Justiça

Em defesa do “ensino tradicional da única Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo”, eles reiteram que mesmo se ficarem com “apenas um punhado de clientes” se sentirão “extremamente felizes por isso”.

A publicação recebeu 26 mil reações positivas e negativas, 19 mil comentários e 4,7 mil compartilhamentos. Mas, apesar do apoio dos seguidores, muitas pessoas criticaram a atitude, classificando-a como “homofóbica” e “criminosa”.

“Gente, Jesus pregava o amor ao próximo sem distinção! Estão interpretando errado seus ensinamentos, hein!”, disse um usuário. “Alguém sabe onde fica essa cervejaria pra gente abrir um processo civil e outro criminal?”, escreveu outro.

O dono do estabelecimento é o mestre cervejeiro Pabhlo Allan, ligado ao Instituto de Caridade e Educação Cristã Sociedade da Santíssima Virgem Maria (SSVM). Essa organização civil e sem fins lucrativos tem como fundamento “a maior glória de Deus, a salvação das almas e a exaltação da Santa Igreja”.

Leia também: Natura lança propaganda com beijo lésbico e internautas pedem boicote

Rezem por nós

Após o primeiro post, na terça-feira (10), a cervejaria voltou a se pronunciar sobre o assunto, falando sobre as mensagens de carinho que receberam e também sobre as críticas e “manifestações de ódio”. “Não! Não recuaremos! Respeitamos todas as pessoas, mas jamais aceitaremos o pecado”, diz o texto.

Dois dias depois, a empresa retomou às redes para pedir que seus apoiadores rezem por eles. “Caros amigos, nesses dias recebemos ofensas dos mais baixos níveis, fomos taxados das mais abjetas alcunhas e sofremos dezenas de ameaças. Só Deus sabe como estamos frente a tamanha injustiça. Mas não nos abalaremos! Em nenhum momento fomos desrespeitosos com as pessoas, limitamo-nos a fazer eco aos homens e mulheres de bem que criticam certa militância LGBT que, com atos como vandalismo e obscenidades, se opõem à moral cristã, ferindo a sensibilidade da população majoritária”.

Leia também: Supermercado Hirota causa polêmica ao chamar casamento gay de "distorção"

Ao encerrar, a cervejaria ainda pede para que, “por favor, reze por essa causa católica levantada pela Sociedade da Santíssima Virgem Maria - SSVM e criminosamente tratada com escárnio e maledicência pela grande imprensa liberal”.

    Leia tudo sobre: gay