Brasil Econômico

Interior da Loja Três
Reprodução/Facebook
Loja Três foi acusada por 11 funcionários e ex-funcionários práticas de assédio e preconceito; na internet, outras pessoas que já trabalharam no local se posicionaram


A Loja Três, marca de roupas carioca que tem duas unidades no Rio de Janeiro e outras duas em São Paulo rebateu as acusações de racismo, homofobia, gordofobia e assédio moral publicadas em uma matéria do portal Universa nesta segunda-feira (20). 

Leia também: Livraria Cultura rebate e chama denúncias de trabalhadores de "distorções"

Em nota, a Loja Três  afirma que as acusações de 11 ex-funcionários entrevistados pela reportagem "não retratam a realidade" do dia a dia da empresa e ressaltou que a maior parte das denúncias "são anônimas e dizem respeito a fatos que desconhecemos", o que dificulta a "necessária apuração e diálogo com as pessoas envolvidas".

A marca também lembra que "as alegações não foram oficializadas pelo Ministério Público" e não tem provas, mas que ão se furtará em apurar todas as denúncias , com apoio, inclusive, de uma empresa de compliance para condução do processo com isenção, transparência e rigor."

A loja de roupas , que tem como um dos slogans a frase ""Por trás de peças, pessoas", escreve ainda que o "apreço da empresa" pela diversidade "nunca foi de fachada", e que busca sempre "proporcionar um ambiente inspirador, humano e, principalmente, que respeite a individualidade de cada um."

Confira a nota na íntegra:

Ver essa foto no Instagram

Hoje acordamos com uma notícia que nos deixou muito tristes. Por tudo que construímos até aqui, por valorizarmos tanto as 154 pessoas que trabalham com a 3 e por acusações que sabemos que não retratam a realidade do nosso dia a dia. Entendemos também que tudo na vida é aprendizado e estamos aqui, abertos, pra esclarecer qualquer ponto sobre o nosso processo de trabalho. Sempre valorizamos as pessoas que estão por trás da marca, vocês sabem disso. Também valorizamos essa relação de transparência com vocês, nossos clientes, e com nossos colaboradores. É nisso que acreditamos e, por isso, colhemos tantos frutos positivos até hoje. Ninguém cresce sozinho nem do nada. A construção de uma marca é um desafio muito grande. Só quem vive na pele sabe. E lá se vão 6 anos desde que, juntos, nascemos e construímos tanta coisa. Tivemos momentos difíceis nessa trajetória, mas também muitas alegrias. Todas as nossas conquistas se devem aos nossos clientes, equipe e a tantos colaboradores e fornecedores que se orgulham de trabalhar conosco. Buscamos sempre proporcionar um ambiente inspirador, humano e, principalmente, que respeite a individualidade de cada um. Não é à toa que criamos tantas relações incríveis aqui dentro. A maior parte das denúncias que lemos na matéria são anônimas e dizem respeito a fatos que desconhecemos, o que dificulta a sua necessária apuração e o importante diálogo com as pessoas envolvidas. Nosso apreço pela diversidade nunca foi de fachada, como agora nos acusam. Vale esclarecer que as alegações não foram oficializadas pelo Ministério Público e tampouco recebemos qualquer prova dos graves fatos veiculados. De todo modo, a Loja Três não se furtará em apurar todas as denúncias, com apoio, inclusive, de uma empresa de compliance para condução do processo com isenção, transparência e rigor. A principal acusada já se afastou voluntariamente de suas atividades na empresa enquanto todos os fatos estiverem sendo apurados.

Uma publicação compartilhada por Loja Três (@lojatres) em






























Na internet, usuários e clientes da Três  criticaram o esclarecimento publicado.  "Esse texto é feito a máquina, máquinas querem lucrar [...] Vocês citam a palavra cliente mais que uma vez. E não citam sentimento algum", escreveu um. "Então vocês tão dizendo que as pessoas que denunciaram são mentirosas..?", comentou outro.

Leia também: Natura lança propaganda com beijo lésbico e internautas pedem boicote

Além dos internautas questionarem se a marca estava querendo dizer que tantas pessoas estavam mentido, ex-funcionários que não relataram suas histórias ao portal Universa também apareceram para denunciar: "Não participei da matéria, mas sou prova VIVA de tudo o que vocês me fizeram passar dentro dessa loja. Vocês são patéticos. Afastar a Guta [uma das donas] é fácil, e os filhos? Os 3 estão errados igualmente. Não adianta nada a equipe de marketing querer passar pano para racista. Melhorem. Vocês são mentirosos, isso sim. Um discurso tão amarrado que até na mentira vocês querem sair ganhando. Nos poupem disso", relatou uma delas.

"Que mentirosos!!! trabalhei por apenas três dias como stylist na loja do rio design leblon e logo pedi demissão porque no meu segundo dia de trabalho sofri assédio moral na frente de todos da loja pela gerente Ana, além de terem oferecido uma vaga X e teria que fazer funções que não foram ditas na entrevista. todos que trabalhavam ali eram infelizes", controu outro.

Entenda o caso

De acordo com a reportagem, há relatos de que a loja  já orientou funcionárias negras a cortar as tranças no cabelo e manter black power "arrumadinho", além de fazer piadas racistas e duvidar da índole de funcionárias negras. Outras denúncias apontam que a dona da marca, Guta Bion, não contrataria trabalhadoras que "não coubessem nas roupas que vendem", em referência ao tamanho que vestem, ou homossexuais "muito afeminados".

Leia também: Câmeras flagram mulher sendo arrastada e agredida por seguranças do Villa Mix

 Há também histórias de constrangimento, além de ex-funcionárias da Loja Três relatarem que não podiam buscar água nos bebedouros, apenas em momentos pré-definidos, que o papel higiênico e o açúcar para o café eram regulados e elas traziam reservas de casas e outros relatos de constrangimento e xingamentos públicos. 




    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários