Tamanho do texto

Depois de ser acusada por ex-funcionários de assédio moral e demissões impostas, rede de livrarias diz que tem "lojas lindas" e "serviço incrível". Veja

Interior da Livraria Cultura
Divulgação/Livraria Cultura
Depois de sofrer uma série de denúncias, Livraria Cultura disse que relatos de ex-funcionários estão distorcidos


A Livraria Cultura publicou, nesta quinta-feira (25), uma nota em que responde as denúncias feitas por alguns de seus ex-funcionários. A rede de livrarias chamou de "distorções" os relatos dos trabalhadores, que disseram ter sofrido constrangimentos, assédio moral e terem sido vítimas de demissões ilegais. 

Leia também: Pedido de  recuperação judicial da Livraria Cultura é aceito

Na publicação, a Livraria Cultura disse que "lamenta as distroções", mas que respeita o "direito de cada um dizer o que pensa" e que valoriza "todas as pessoas, a diversidade e a liberdade de expressão."

A livraria  convidou, ainda, seus clientes para "conhecerem a empresa de perto" e "refletir sobre tudo o que lê", ressaltando que as lojas da rede "são lindas", com "equipes maravilhosas" e possuem um "serviço incrível." Confira a nota na íntegra:




A resposta da rede de livrarias  foi alvo de grandes críticas nas redes sociais. Internautas disseram que a empresa em nenhum momento desmentiu os relatos, além de tentar miniminzá-los. O post também gerou piadas entre os usuários. 












Entenda o caso 

Livraria Cultura
Reprodução/Facebook
Site publicou entrevistas com ex-funcionários da Livraria Cultura; depois disso, outros trabalhadores começaram a fazer denúncias


As denúncias de ex-funcionários da empresa vieram à tona após uma entrevista com alguns desses trabalhadores ser publicada, no último domingo (21), no site Passa Palavra . Na reportagem, três pessoas relataram situações de assédio moral, sobrecarga de trabalho, perseguição e ameaças de demissão.

"Pra você ter uma ideia, no setor em que eu fico, no piso em que eu fico, tem cerca de sete linhas de telefone e a gente ficava em duas pessoas no piso. Eram duas pessoas pra atender sete linhas de telefone", diz um dos relatos. "Todo o prédio do administrativo – todo mundo, RH, faxineiro, segurança, todo mundo que vocês imaginarem – foi obrigado a descer, ir pra loja e começar a arrumar. Eles fizeram um mutirão pra arrumar a loja que foi mais ou menos das 16h, 17h, até às 9h da manhã do outro dia. Eles vararam direto a madrugada", conta um segundo depoimento.

Em outra história, o dono da empresa supostamente chamou os funcionários de porcos. "Ele humilhou muita gente, ele elogiou muito o administrativo, por ter ficado trabalhando a madrugada toda, e ele humilhou muito o pessoal do piso de loja – os vendedores, os auxiliares de venda, os gerentes da loja… ele humilhou muito. Ele falou que não sabia o que a gente tava fazendo ali, que a gente também não sabia o que a gente tava fazendo ali, e que já que a gente não sabia, ele podia escolher por nós… Ele falou que a loja era um chiqueiro e que nós éramos porcos e que, já que a gente não tomava uma decisão, ele ia tomar uma decisão por nós", contou um entrevistado.

Leia também: Em recuperação judicial, Saraiva tem prejuízo de R$ 106,9 milhões em dezembro

Depois dos relatos, diversas pessoas que trabalharam na Livraria Cultura começaram a confirmar as acusações nas redes sociais. No Facebook e no Twitter, esses ex-funcionários passaram a publicar suas próprias histórias. Veja: