Tamanho do texto

Receita da rede de livrarias caiu mais de 50%; desde novembro, a Saraiva está em fase de recuperação judicial com dívidas de mais de R$ 675 milhões

A Saraiva, maior rede de livrarias do País, fechou o último mês de dezembr com prejuízo de mais de R$ 106 milhões
Divulgação
A Saraiva, maior rede de livrarias do País, fechou o último mês de dezembr com prejuízo de mais de R$ 106 milhões


A rede de livrarias Saraiva fechou o ano de 2018 com prejuízo de mais de R$ 106 milhões. As informações foram divulgadas no relatório de atividades da empresa nesta segunda-feira (4).

Leia também: Livraria Cultura entra com pedido de recuperação judicial

De acordo com o levantamento, o prejuízo de R$ 106,9 milhões no fim do ano passado foi uma reviravolta nas contas da Saraiva , que em 2017 havia registrado, em dezembro, lucro de R$ 2,6 milhões.

Publicado pelo escritório de advocacia Lucon Advogados, administrador judicial da rede, o relatório aponta que os lucros durante o ano passado foram diretamente afetados pelo fatores do cenário externo, como a greve dos caminhoneiros e a Copa do Mundo.

Além disso, a empresa aponta situações internas, também, como motivos do prejuízo: o encerramento da venda de produtos eletrônicos e de informática , por exemplo, e os efeitos do  pedido de recuperação judicial  feito em novembro  estão entre eles.

“A partir do pedido de recuperação judicial em 23 de novembro de 2018, segundo a companhia, houve redução no abastecimento de livros nas lojas físicas, resultando também em prazos maiores para atendimento de pedidos de livros no canal e-commerce — com impacto negativo na percepção dos clientes, o que prejudicou as vendas da companhia em dezembro de 2018”, diz a publicação.

Ainda de acordo com os dados divulgados, na comparação de 2017 e 2018, a receita da rede de livrarias recuou 58,2%: foi de R$ 202,3 milhões para R$ 84,5 milhões, respectivamente.

Entenda o pedido de recuperação judicial da Saraiva

Livraria Saraiva entrou com pedido de recuperação judicial em novembro do ano passado
Divulgação
Livraria Saraiva entrou com pedido de recuperação judicial em novembro do ano passado


O pedido de recuperação judicial da empresa foi feito no dia 23 de novembro do ano passado, e aceito pela justiça quatro dias depois. As dívidas da companhia somam cerca de R$ 675 milhões.

Leia também: Saraiva cita "desafios econômicos" e decide fechar 20 lojas

De acordo com o juiz Paulo Furtado de Oliveira Filho, da 2ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais de São Paulo, que aceitou o pedido, a decisão foi tomada "Para que os credores não destruam o valor da organização empresarial". Eke também suspendeu 180 ações e execuções contra a Saraiva , que ainda mantém 85 lojas em 17 estados do País. Em comunicado enviado ao mercado, a rede de livrarias afirmou que o pedido de recuperação judicial "não altera, de forma alguma, o funcionamento do varejo", e que tem tomado diversas medidas para readequar seu negócio ao que chamou de "uma nova realidade".