Tamanho do texto

Oferta contempla slots (autorizações para pousos e decolagens) da ponte aérea Rio-São Paulo; primeira proposta da Azul foi em março, de US$ 105 mi

Avião da Avianca
Avianca Internacional/Divulgação
Segundo a Azul, venda de parte da Avianca não alterará leilão de sete farias da empresa


A Azul apresentou à Justiça de São Paulo nesta segunda-feira (13) uma nova  proposta para comprar parte das operações da Avianca Brasil por US$ 145 milhões. A companhia aérea não entrou em detalhes sobre a oferta, mas disse que ela contemplaria slots (autorizações para pousos e decolagens) da ponte-aérea Rio-São Paulo.

Leia também: Comprou passagem? Saiba o que muda após cancelamento do leilão da Avianca

Depois de protocolada, cabe à Justiça conceder autorização ou não para que a proposta seja formalizada. A Azul foi a primeira companhia aérea a tentar comprar uma parte da Avianca , em 11 de março. Na época, a empresa ofereceu US$ 105 milhões pelas operações.

Em nota, a Azul diz acreditar que o pedido apresentado à 1ª Vara de Falências e Recuperação Judicial de São Paulo, onde tramita o processo de recuperação judicial da Avianca , confere à "empresa, seus empregados, consumidores, credores e demais interessados uma alternativa legal e legítima para viabilizar a monetização, uso continuado de bens e preservação de atividades que atualmente correm grave risco de paralisação e perecimento à luz da rápida deterioração das atividades da companhia, no melhor interesse do mercado de aviação e todos os envolvidos".

A companhia aérea ressalta, ainda, que a proposta "oferece uma real alternativa para aumentar a competitividade na ponte aérea entre Rio-São Paulo " e esclarece que o pedido feito à Justiça de São Paulo não invalida o leilãodas sete fatias da Avianca.

Na visão da Azul, "a alienação judicial da Nova UPI oferece uma alternativa compreensiva, viável e verdadeiramente implementável, inclusive do ponto de vista operacional, regulatório e concorrencial".

Leilão de sete fatias

Dias depois da primeira proposta de compra pela Azul , a própria Avianca anunciou mudanças em seu plano de recuperação judicial , em curso desde dezembro do ano passado, com o desmembramento da empresa em sete unidades — as chamadas Unidades Produtivas Isoladas (UPI), que seriam leiloadas.

Com a mudança no modelo de recuperação, além da Azul, Latam e Gol também anunciaram suas ofertas, e o leilão foi marcado para 7 de maio. Apesar da data acertada, o leilão não ocorreu porque credores obtiveram liminar suspendendo o evento. A expectativa é que a Avianca apresente recurso para remarcação ainda hoje.

A situação da Avianca agrava a cada dia. Semana passada, a empresa perdeu mais um avião na Justiça. A aeronave pertencia à empresa de leasing Wells Fargo. Com isso, a frota da Avianca foi reduzida para cinco unidade. E ainda há risco de perder mais aviões, pois a Airbus briga na Justiça para retomar quatro dos cinco restantes. 

Leia também: Airbus pede aeronaves de volta e Avianca pode operar apenas com dois aviões

Veja abaixo as unidades que serão leiloadas se a Avianca conseguir reverter a decisão da Justiça que suspendeu o certame:

  • UPI A:  20 voos em Guarulhos, 12 no Santos Dumont e 18 em Congonhas. Parte dos funcionários.
  • UPI B:  26 voos em Guarulhos, 8 no Santos Dumont e 13 em Congonhas. Parte dos funcionários.
  • UPI C:  6 voos em Guarulhos, 6 no Santos Dumont e 8 em Congonhas. Parte dos funcionários.
  • UPI D:  6 voos em Guarulhos, 4 no Santos Dumont e 4 em Congonhas. Parte dos funcionários.
  • UPI E:  6 voos em Guarulhos, 4 no Santos Dumont e 9 em Congonhas. Parte dos funcionários.
  • UPI F:  23 voos em Congonhas. Parte dos funcionários.
  • UPI Programa Amigo:  Banco de dados do programa de fidelidade, pontos não utilizados e passagens já emitidas por esse canal, mas não utilizadas.