Tamanho do texto

Segundo Bento Albuquerque, de Minas e Energia, reajuste anunciado para o diesel e mais tarde suspenso por Bolsonaro foi um "erro de comunicação"

bento albuquerque
Saulo Cruz/Ministério de Minas e Energia
“Houve um erro de comunicação na apresentação desse aumento de 5,7% [no diesel]", disse o ministro Bento Albuquerque

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, negou a possibilidade de o governo interferir na política de reajuste de preços da Petrobras. Questionado se a atual gestão pretende promover algum tipo de alteração na política da empresa, o ministro foi enfático: “Nenhuma".

Leia também: Bolsonaro discute preço do diesel com presidente da Petrobras; entenda o cálculo

“Houve um erro de comunicação na apresentação desse índice de 5,7%", explicou Albuquerque. "Entendo que presidente, não estando informado e não tendo as pessoas para informá-lo exatamente do que estava ocorrendo, pediu esclarecimento – e é isso que vamos prestar a ele daqui a pouco”, completou. Albuquerque se referia à reunião com o presidente Jair Bolsonaro (PSL) que aconteceu na tarde de hoje (16).

A declaração do ministro foi feita durante um evento para debater o setor de óleo e gás e pouco antes de ir à reunião com o presidente para tratar da política de preços da Petrobras . Na saída do evento, o ministro disse que o que houve foi um “problema de comunicação” e que não está apontando ne m insinuando culpados.

Suspensão

jair bolsonaro
Alan Santos/Presidência da República
Na sexta (12), Bolsonaro confirmou que entrou em contato com a Petrobras para suspender do reajuste no preço do diesel

Na última quinta (11), a Petrobras anunciou um aumento de 5,7% no preço médio do diesel. Posteriormente, Bolsonaro disse que havia entrado em contato com a estatal para a suspensão do reajuste para evitar uma possível  greve de caminhoneiros . Após cancelar o aumento, a empresa disse que havia margem “para espaçar mais alguns dias o reajuste no diesel".

No dia seguinte (12), a Petrobras perdeu R$ 32 bilhões em valor de mercado , mas negou que tenha havido interferência do presidente. Já o Palácio do Planalto confirmou que a suspensão do reajuste partiu de Bolsonaro, mas acrescentou que o governo não pretende interferir na estatal.

A Petrobras informou que, mesmo com o adiamento, seguirá com a política de reajuste do diesel em alinhamento com o Preço Paridade Internacional (PPI). Isso significa que os preços do combustível nas refinarias da companhia, que correspondem a cerca de 54% do preço repassado ao consumidor final, sofrerão reajustes por períodos não inferiores a 15 dias.

Na manhã desta terça , o governo anunciou que o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) disponibilizará R$ 500 milhões e abrirá uma linha de crédito especial para caminhoneiros autônomos. As medidas fazem parte de um esforço da atual gestão para evitar uma nova greve da categoria.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.