Tamanho do texto

Segurança teria achado que ela estava pedindo dinheiro quando queria comprar sorvete para os filhos; caso aconteceu em unidade da Vila Mariana

undefined
shutterstock
McDonald's precisará prestar esclarecimentos ao Procon-SP sobre conduta com cliente impedida de comprar sorvete


A Fundação Procon-SP informou, nesta terça-feira (2), que cobrou explicações do McDonald’s Brasil sobre o caso da mulher que foi impedida de comprar sorvete na segunda-feira da semana passada (25), em uma unidade da Vila Mariana, em São Paulo. De acordo com o órgão, a notificação foi enviada hoje e a empresa tem até 48 horas para responder.

Leia também: Cinemark exibe filme pró-ditadura, pede desculpas e gera polêmica na internet

Sob pena de ser autuado e multado, o McDonald's  vai precisar explicar "o que aconteceu, quais os procedimentos adotados após o ocorrido, quais os critérios de contratação de serviços de segurança e qual a política interna de treinamento de funcionários e prestadores de serviços quanto aos direitos e garantias do consumidor", disse o Procon-SP em nota.

O órgão ressaltou, ainda, que o Código de Defesa do Consumidor tem como objetivo "o atendimento das necessidades dos consumidores e o respeito à sua dignidade, saúde e segurança."

Leia, na íntegra, a nota do Procon :

Fundação Procon-SP, vinculada à Secretaria da Justiça e Cidadania, notificou o McDonald’s Brasil a explicar o tratamento dispensado a uma mulher que, de acordo com notícia veiculada pelo jornal Folha de São Paulo, no último dia 25 foi impedida de comprar sorvete para seus dois filhos pequenos.
A empresa deverá explicar o que aconteceu, quais os procedimentos adotados após o ocorrido, quais os critérios de contratação de serviços de segurança e qual a política interna de treinamento de funcionários e prestadores de serviços quanto aos direitos e garantias do consumidor.
Segundo a notícia, a mulher foi impedida por seguranças de uma das lanchonetes da rede – localizada na Vila Mariana, São Paulo – de comprar sorvete para seus filhos pequenos. Ela afirma ter sido vítima de racismo, ameaçada e destratada pelo segurança; clientes que estavam no local a ampararam e orientaram a procurar a polícia.
O Código de Defesa do Consumidor estabelece que a Política Nacional das Relações de Consumo tem por objetivo o atendimento das necessidades dos consumidores, o respeito à sua dignidade, saúde e segurança, a proteção de seus interesses econômicos, a melhoria da sua qualidade de vida, bem como a transparência e harmonia das relações de consumo.
O pedido de esclarecimento feito pela fundação visa garantir o respeito aos direitos de todos os consumidores.  A empresa poderá ser autuada e multada e tem 48 horas para responder ao Procon-SP.

Entenda o caso envolvendo 

Mulher impedida de comprar sorvete no McDonald's
Reprodução/Facebook
Mulher impedida de comprar sorvete no McDonald's

Na semana passada (25), a autônoma Fernanda Vicentina da Silva, de 35 anos, tentou comprar sorvetes na rede de fast-food para seus dois filhos, de sete e três anos, quando foi impedida por um segurança da loja da Vila Mariana, na rua Domingos de Morais, zona sul da capital.

Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo , Fernanda disse que o funcionário achou que ela estava pedindo dinheiro e acabou sendo expulsa do local.  "Eu tenho pressão alta e meus filhos têm bronquite. Tinha ido no hospital e quando saí com os meninos eles disseram 'mãe, quero sorvete e lanche'. Quando eu tava com o cartão para dar pro menino [atendente do quiosque de sobremesas, no lado de fora], ele pegou o cartão, que é do Bolsa Família, e o segurança já chegou me xingando", relata. 

Leia também: Cerveja Mito, homenagem ao presidente, foi criada a pedido de Flávio Bolsonaro

"Ele gritou 'Não é para você ficar pedindo aí não! ​Sai fora!'. Me chamou de vagabunda. ​Pedi para me respeitar e comecei a chorar. Os meninos também. Me senti muito humilhada, muito para baixo mesmo., completa. 

Desempregada, Fernanda conta que tem vendido panos de prato na porta de estações do Metrô e que sentiu racismo na ação. "Ali era todo mundo branco, só eu que era preta", conta. 

McDonald's responde

undefined
shutterstock
McDonald's disse que funcionário que expulsou a mulher foi temporariamente afastado


Segundo o McDonald's, o segurança está temporariamente afastado. A rede também disse que essa é uma "questão pontual e que não condiz com a cultura democrática e inclusiva da empresa."

Leia também: Carrefour terá de pagar R$ 1 milhão para cuidados a animais após caso Manchinha

​​ "O McDonald's informa que, preliminarmente e até que tudo esteja esclarecido, afastou o funcionário terceirizado envolvido no caso e reforça que não compactua com nenhum tipo de agressão ou injúria em suas unidades", completa a nota.




    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.