Tamanho do texto

Segundo a estatal, valor será investido para melhorar os serviços prestados; por dia, empresa recebe cerca de 200 mil encomendas internacionais

Segundo os Correios, o volume de mercadorias recebidas do exterior cresceu de forma inesperada nos últimos anos, o que obrigou a empresa a injetar mais recursos na operação para “manter o padrão do serviço”
Marcelo Camargo/Agência Brasil
Segundo os Correios, o volume de mercadorias recebidas do exterior cresceu de forma inesperada nos últimos anos, o que obrigou a empresa a injetar mais recursos na operação para “manter o padrão do serviço”

A nova cobrança de R$ 15 por cada encomenda internacional pode gerar entre R$ 1,5 milhão e R$ 4,5 milhões por dia aos cofres dos Correios. Em um mês com 20 dias úteis, o aporte de recursos financeiros provenientes do despacho postal chegaria a R$ 90 milhões - valor que a empresa garante que investirá na melhoria do serviço prestado aos clientes.

Leia também: Correios passam a cobrar R$ 15 em todas as encomendas internacionais

“O montante arrecadado com o despacho postal será destinado a custear a estrutura necessária ao desembaraço alfandegário, um gasto que estava sendo embutido em outros serviços”, comentou Carlos Roberto Fortner, presidente dos Correios .

A medida entrou em vigor na última segunda-feira (27). Segundo Fortner, o volume de mercadorias que os Correios recebem do exterior cresceu de forma inesperada nos últimos anos, variando entre 100 mil e 300 mil objetos por dia, o que obrigou a empresa a injetar mais recursos na operação para “manter o padrão do serviço”.

Ainda e acordo com o presidente, a cobrança do despacho postal já é uma prática comum em outros países e o valor de R$ 15 estabelecido é, em média, quatro vezes menor do que o cobrado por empresas privadas que atuam no Brasil neste mesmo segmento.

“Como o volume de encomendas era pequeno, os custos estavam diluídos pelo restante das operações”, explicou Fortner. “Com o crescimento da quantidade de objetos importados, foi necessário organizar serviços complementares e permitir que cada cliente pague apenas aquilo que tem que pagar”, acrescentou.

Leia também: Gastos de brasileiros no exterior caem 7,87% em julho em relação a 2017

Trâmites

Quem está esperando por encomendas do exterior deve acessar o sistema de rastreamento de objetos dos Correios e realizar o pagamento do despacho postal por meio de boleto ou cartão de crédito
Divulgação/Correios
Quem está esperando por encomendas do exterior deve acessar o sistema de rastreamento de objetos dos Correios e realizar o pagamento do despacho postal por meio de boleto ou cartão de crédito

Em 2017, os Correios receberam, em média, 189 mil encomendas importadas por dia. Já no primeiro semestre deste ano, foram 242 mil objetos. Toda essa mercadoria tem que ser separada, estocada e inspecionada por servidores da estatal que também dão suporte ao desembaraço alfandegário.

Se necessário, os Correios ainda têm que providenciar o tratamento adequado aos objetos cuja importação é proibida ou que ofereçam algum tipo de risco fitossanitário; recolher e repassar eventuais tributos de importação não pagos à Receita Federal ; e, por fim, avisar os destinatários sobre a chegada das encomendas.

“É um serviço que precisa ser remunerado, que não podemos oferecer de graça. Precisamos ter sustentabilidade econômico-financeira”, ponderou o presidente da estatal.

Leia também: Boletos vencidos entre R$ 400 e R$ 799 já podem ser pagos em qualquer banco

Quem está esperando por encomendas do exterior deve acessar o sistema de rastreamento de objetos dos Correios e realizar o pagamento do despacho postal por meio de boleto ou cartão de crédito. O prazo de entrega do objeto passa a contar a partir da data da quitação da taxa.


*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.