'Falhou feio', diz Mourão sobre acusações de assédio contra Guimarães
Pablo Jacob/Agência O Globo/03-11-2020
'Falhou feio', diz Mourão sobre acusações de assédio contra Guimarães

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão (Republicanos), comentou nesta sexta-feira (1º) sobre as acusações de assédio sexual envolvendo o ex-presidente da Caixa Econômica Federal Pedro Guimarães. Guimarães pediu demissão nesta semana  após denúncias de funcionárias do banco.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

"Em termos operacionais, o trabalho do Pedro foi muito bom. A Caixa avançou bastante ao longo desses anos. Mas, lamentavelmente, nessa parte moral, falhou e falhou feio", disse Mourão em entrevista a jornalistas.

Anteriormente, durante a conversa, o general também disse que o assédio é uma das piores coisas que pode acontecer. "Isso não concordo em hipótese alguma".

"Não é simples trabalhar com pessoas. Você tem que saber quais são os limites, principalmente quando você é chefe. Até onde você pode, vamos dizer assim, ter uma relação com os seus subordinados, seja homem ou mulher. Isso é uma questão de bom senso. Eu acho que é um episódio só, nada mais do que isso", declarou.

Mourão também saiu em defesa do presidente Jair Bolsonaro (PL) quanto à omissão sobre o escândalo na Caixa. Ele foi questionado sobre o fato de Guimarães ter pedido demissão, em vez de ter sido demitido pelo presidente. Bolsonaro também não se pronunciou até o momento sobre as acusações contra o economista.

"Quando você recebe qualquer denúncia, você primeiro chama a pessoa, conversa com ela, ouve o lado dela. A partir do momento que eu acho que as justificativas que o Pedro deu ao presidente não foram aquelas que ele julgava pertinentes, o presidente deve ter dito pra ele: 'por favor, peça pra sair'. Acho que foi isso que aconteceu".

A Procuradoria da República do Distrito Federal, o Ministério Público do Trabalho (MPT) do Distrito Federal e o Ministério Público Federal (MPF) apuram as acusações. O caso foi revelado pelo site Metrópoles na última terça. 

Além de assédio sexual, integrantes do governo também falam em assédio moral. Vídeos divulgados pelo Metrópoles  mostram Pedro Guimarães xingando e ameaçando seus funcionários.

Para a presidência da Caixa, o governo indicou Daniella Marques, braço direito do ministro da Economia, Paulo Guedes, e atual secretária de Produtividade e Competitividade da pasta. A troca foi oficializada no Diário Oficial da União na noite de quarta.

PEC das 'bondades'

Durante a entrevista, Mourão também foi questionado sobre a chamada PEC das 'bondades', que aumentou o valor do Auxílio Brasil de R$ 400 para R$ 600 e criou um voucher de R$ 1 mil a caminhoneiros a cerca de três meses das eleições. O texto, aprovado em 2º turno pelo Senado nesta quinta-feira (30), vinha sendo chamado pela oposição de "eleitoreiro".

"Tudo que fosse aprovado no sentido de mitigar essa situação seria considerado eleitoreiro. Mas vamos lembrar que a própria oposição votou junto. Houve muito pouco voto contrário".

** Gabrielle Gonçalves é jornalista em formação pela Universidade Estadual Paulista (Unesp). Estagiária em Brasil Econômico. No iG desde agosto de 2021, tem experiência em redação e em radiojornalismo, com passagens pela Rádio Unesp FM e Rádio Metropolitana 98.5 FM.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários