De volta ao salão: retomada de eventos e festas lota espaços, e custos sobem até 30%
Digulgação
De volta ao salão: retomada de eventos e festas lota espaços, e custos sobem até 30%

Comemorações em grande estilo, aniversários de três dias, casamentos em paraísos turísticos, feiras de negócios, congressos e confraternização de fim de ano.

Com o alívio da pandemia, a demanda por eventos, sejam sociais ou corporativos, está tão aquecida que, depois de dois anos de restrições sanitárias impostas pela pandemia, o setor de eventos vive, em 2022, dois anos em um.

Agendas lotadas, com filas até 2023, marcam a retomada do setor. O segundo semestre promete ser frenético nos negócios que viabilizam desde festas de casamento e aniversários aos grandes congressos e feiras corporativas, mas faltam espaço, mão de obra e fornecedores.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o perfil geral do Portal iG 

E esse desequilíbrio entre essa alta demanda e a oferta de serviços infla os preços. Com isso, os eventos estão até 30% mais caros do que em 2019, antes de a pandemia derrubar o setor no início de 2020.

Após tanta espera, famílias e empresas estão buscando compensar dois anos de abstinência com festividades e eventos grandiosos, levando Doreni Caramori Júnior, presidente da Associação Brasileira dos Promotores de Eventos (Abrape), a dizer que o setor vive agora seu melhor momento.

"Desde outubro a demanda aumentou muito. O desafio é a outra ponta, a oferta, porque tem uma cadeia desestruturada. Muitas pessoas foram para outros setores, empresas quebraram, venderam equipamentos. Tudo isso está fazendo os custos aumentarem e a margem diminuir", diz Caramori.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários