Frente fria leva cariocas às lojas atrás de roupas e edredons
Arquivo/Tânia Rêgo/Agência Brasil
Frente fria leva cariocas às lojas atrás de roupas e edredons

O outono de temperaturas mais baixas está impulsionando as vendas de roupas de frio no país. O varejo já relata aumento na procura por itens como casacos, calças e meias, trazendo otimismo para o inverno.

Na estação, o setor de vestuário deve bater R$ 13,7 bilhões em vendas este ano, o maior volume desde 2014, segundo estimativa da Confederação Nacional do Comércio (CNC).

Historicamente, o varejo costuma vender 10% mais vestuário no inverno do que na primavera e no outono, explica Fabio Bentes, economista-chefe da CNC. Maior, continua ele, é o mês em que a procura por roupas de frio começa, logo que as coleções são lançadas, mas é em junho que esse movimento se intensifica, fortalecido pelas regiões do Centro-Sul do Brasil.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG 

Além da chegada antecipada do frio este ano, outro fator contribuiu para um aumento na procura do vestuário de inverno: a retomada ao trabalho e a eventos presenciais no pós-pandemia. Aurelio Gruntoski, head de Operações da C&A, pontua que as pesquisas de comportamento da empresa identificaram que o perfil do consumidor mudou e o desejo é de renovar o armário da estação. 

Em 2021, conta o executivo, o cliente buscava moletons para se proteger do frio no conforto de casa. Agora, a demanda é maior por agasalhos mais adequados a encontros sociais, com destaque para o jeans.

"Tivemos uma aceleração das vendas bem intensa nas duas últimas semanas, inclusive porque as temperaturas caíram até nas cidades em que o frio não é tão esperado. Cresceu a demanda por jaquetas puffer (com zíper e acolchoadas) e casacos Teddy (do tipo felpudo), além do jeans em diversas modelagens", relata Gruntoski.

Segundo ele, o comportamento é esperado. Como a temperatura ainda vai cair mais nos próximos meses, a empresa prevê que o volume de vendas continue subindo.

Na Renner, o volume de vendas já supera o do período pré-Covid. No primeiro trimestre, houve alta de 63% na comparação com igual período de 2021 e de 35% na comparação os três primeiros meses de 2019. A empresa atribui o crescimento à retomada da mobilidade e da participação em eventos sociais, e explica que esta tendência se acelerou nos meses seguintes, alavancada pela coleção outono-inverno e influenciada ainda por datas fortes no calendário do varejo como o Dia das Mães.

Retomada de atividades sociais ajudam

A volta às atividades sociais está por trás do protagonismo de roupas, tecidos e calçados na recuperação do comércio, sob um panorama mais geral. Altamiro Carvalho, assessor econômico da FecomercioSP, afirma que a procura já é maior que a do período pré-pandêmico, e a previsão é vender 44% a mais em junho deste ano do que no mesmo mês de 2021.

Segundo Carvalho, o preço médio das roupas de inverno é maior que o das demais estações, o que aumenta o tíquete médio pago pelos clientes. A inflação, porém, pode frear a demanda: os itens de vestuário acumulam alta de preço de 16% nos últimos 12 meses, acima da média nacional de 11,73%. 

Ainda assim, o consumidor corre às lojas para passar o inverno bem agasalhado, como as cariocas Nadja Fernandes, aposentada, e Tuane Gomes, engenheira.

"Tenho problemas nas articulações e sinto dores com o frio, então comprei casacos de couro, meia, tênis, tricôs e casacos de lã, que gosto de usar", diz a aposentada, acrescentando que Tuana comprou casacos e calças neste início de junho.

Já Alexandre Costa, professor de matemática, relata que faz frio onde mora e resolveu presentear o irmão, que faz aniversário, com casacos:

"É algo que todo mundo precisa, é um presente certo. E se continuar a esfriar como nos últimos dias, vai ser necessário", conta ele.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários