Bolsonaro tentou interferir no reajuste de combustíveis, diz jornal
Alan Santos/PR
Bolsonaro tentou interferir no reajuste de combustíveis, diz jornal

O presidente Jair Bolsonaro (PL) teria pressionado a presidência da Petrobras a segurar os preços dos combustíveis em 2021, em meio as fortes altas praticadas pela estatal. A informação foi divulgada pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Segundo a publicação, Bolsonaro enviou uma mensagem ao ex-presidente da estatal, Roberto Castello Branco, para segurar os valores.

"Recuem", teria dito o presidente da República à Castello Branco. Na época, Bolsonaro negou uma tentativa de interferência na estatal.

Em seguida o presidente foi enfático ao criticar a postura da empresa no anúncio do reajuste. "Assim vcs querem me derrubar", afirmou.

Semanas após a troca de mensagens, Bolsonaro demitiu Roberto Castello Branco do comando da estatal. Em entrevista ao Roda Vida, da TV Cultura, Castelo Branco admitiu as pressões de Bolsonaro sobre o preço dos combustíveis.

O substituto na petroleira, Joaquim Silva e Luna, também foi vítima de pressão do Palácio do Planalto para segurar o preço dos combustíveis. Segundo o Estadão, Bolsonaro teria enviado uma mensagem para Silva e Luna afirmando que a Petrobras "tem que ser uma empresa que dê lucro não muito alto".

Leia Também


Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia

Em 2021, a estatal anunciou o lucro de R$ 106 bilhões. O valor é um recorde registrado pela empresa.

A chegada de Silva e Luna, no entanto, não satisfez Bolsonaro para segurar os valores dos combustíveis. Nos últimos meses, a Petrobras manteve sua política de reajuste e foi a principal responsável pela alta inflacionária do país.

A pressão para reduzir os preços em meio à baixa popularidade para as eleições deste ano fez Bolsonaro demitir Silva e Luna. A indicação de José Mauro Ferreira Coelho deve ser votado nesta quarta-feira (13) pelo conselho de administração da estatal.

O presidente Jair Bolsonaro, o Palácio do Planalto e a Petrobras ainda não se pronunciaram sobre as denúncias de interferência.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários