Servidores do BC podem ter reajuste
Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Servidores do BC podem ter reajuste

O governo tem três propostas sobre a mesa para reajustar os salários dos servidores públicos, em meio a uma pressão cada vez maior de diferentes categorias dos funcionalismo . A decisão final caberá ao presidente Jair Bolsonaro, de acordo com integrantes do governo.

A ideia, como o GLOBO já mostrou, é que os novos vencimentos passem a valer a partir de 1º de julho deste ano. A proposta que mais agrada ao ministro da Economia, Paulo Guedes, é de dar um reajuste R$ 400 no vale-alimentação.

Um reajuste dessa magnitude, avaliam integrantes do governo, custaria próximo de R$ 2 bilhões e teria um impacto maior sobre quem recebe menos. Por outro lado, não beneficiaria os inativos. O vale-alimentação do Executivo hoje é de cerca de R$ 400.

A outra proposta do governo é um reajuste linear de 4% a 5%. É essa inflação estimada pelo Ministério da Economia entre julho de 2022 e junho de 2021. Para isso, seria necessário encontrar um espaço de R$ 5 bilhões a R$ 6 bilhões no Orçamento.

Uma outra possibilidade é conceder um reajuste direcionado apenas para os policiais federais, para a Polícia Rodoviária Federal e para o Departamento Penitenciário Nacional. Essa promessa de Bolsonaro desagradou a outras categorias, especialmente a Receita Federal e o Banco Central.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia

Por isso, caso a decisão seja de beneficiar apenas policiais, servidores da Receita também ganhariam o bônus que eles reivindicam (custando cerca de R$ 200 milhões neste ano), que se extenderia também para o Banco Central (R$ 250 bilhões).

Nesse caso, seria possível aplicar inclusive reajustes superiores a 20%, como chegou a ser ventilado para os policiais federais.

Prazo apertado

A área jurídica do Ministério da Economia entende que há dois prazos distintos a respeito da concessão de reajustes para servidores públicos, de acordo com técnicos da equipe econômica. O primeiro é dado pela Lei Eleitoral, que proíbe conceder revisão geral de remuneração — ou seja, aumento a todos — no ano eleitoral (a qualquer tempo) em percentual superior à inflação oficial.

O ministério entende que é possível, portanto, conceder aumento até o limite da inflação a todos.

Há um segundo prazo estabelecido pela LRF. A lei fala que não é possível aumentar ou executar qualquer ato que eleve a despesa de pessoal, como reajuste em benefícios, seis meses antes do fim do mandato do chefe do Poder — ou seja, a partir de julho.

Leia Também

Leia Também

Leia Também

Leia Também

No início do ano, em consultas informais feitas por auxiliares de Bolsonaro, ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) avisaram que conceder reajustes para categorias específicas, como a de policiais federais, poderia desencadear ações na Corte cobrando o mesmo tratamento a todos os servidores.

O alerta dos ministros do STF ao governo é o de que o Supremo pode obrigar o "alinhamento" do tratamento dado a uma categoria às demais carreiras do Executivo, após dois anos de reajustes suspensos.

Os funcionários de União, estados e municípios passaram dois anos (2020 e 2021) sem reajustes, como contrapartida ao aumento de gastos decorrentes da pandemia. Com o fim da restrição, Bolsonaro foi o primeiro a falar de aumentos este ano. Em novembro último, prometeu reajuste caso o Congresso aprovasse a proposta de emenda à Constituição (PEC) que alterou o pagamento de precatórios (despesas do governo decorrentes de decisões judiciais).

A PEC alterou o teto de gastos, abrindo espaço de mais de R$ 100 bilhões a despesas este ano. Com a reação negativa à proposta, o presidente deixou de falar em reajuste linear, mas manteve a intenção de dar aumento aos policiais. Para o governo, integrantes da PF, da PRF e do Depen são algumas das principais bases eleitorais de Bolsonaro. Nos estados, diversos governadores já concederam aumentos ao funcionalismo.

Catadores

O governo federal deve lançar ainda neste mês um programa para remunerar catadores informais que trabalham com a reciclagem, de acordo com integrantes da equipe econômica.

A intenção é que o programa possa incrementar a renda dos catadores em R$ 200 a R$ 300 por mês, para que eles passem a ser "agentes de preservação do meio ambiente".

A proposta é que o programa seja bancado com recursos das empresas, sem dinheiro público envolvido.

Hoje, as empresas já precisam investir em programas de logítica reversa, inclusive atingindo metas. A ideia é que esses recursos sejam investidos em catadores, por meio de um programa que será criado pelo governo.

Pelas regras atuais, as empresas têm responsabilidade compartilhada no manejo e retorno dos resíduos. Com o novo programa, será criado um estímulo para que possam cumprir a cota gastando menos.

Segundo uma fonte do governo, há cerca de 800 mil catadores no país, público que seria beneficiado pela proposta.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários