Por volta de 10h30, o Ibovespa cedia 0,54%, aos 118.223 pontos.
Ivonete Dainese
Por volta de 10h30, o Ibovespa cedia 0,54%, aos 118.223 pontos.

A Bolsa caiu enquanto o dólar se desvalorizou ante o real nesta sexta-feira (8). No pregão, o destaque foi para a divulgação de dados de inflação no Brasil acima do esperado .

O Ibovespa cedeu 0,45%, aos 118.322 pontos. O principal índice da B3 foi pressionado pelas quedas da Vale e de empresas mais sensíveis aos movimentos da curva de juros, como as varejistas. A moeda americana teve baixa de 0,66%, negociada a R$ 4,7049.

O dólar operou com alta na primeira parte dos negócios, chegando a atingir a máxima de R$ 4,7934. Mas o enfraquecimento da divisa no exterior ao longo do dia e a percepção de que o Banco Central (BC) terá que manter o ciclo de altas da Selic por mais tempo que o previsto deram força ao real.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia 

Apesar da queda no dia, o dólar encerrou a semana com alta de 0,91% ante o real, influenciado pelas perspectivas de aperto monetário por parte do Federal Reserve, Banco Central americano, e do Banco Central Europeu (BCE).

"Uma possível alta de juros nos mercados desenvolvidos acima do precificado altera a visão de risco e fluxo para emergentes. A ata do Fomc e discursos de membros do Fed aumentaram a chance de alta para maio em 0,50 ponto percentual na taxa de juros nos EUA. Além do BCE que sinalizou aumento para o 3º trimestre", disse o analista da Terra Investimentos, Regis Chinchila.

As taxas de juros futuros tiveram forte alta durante todo o dia, influenciadas pelo dado negativo do IPCA.

No fim do pregão regular, a taxa do contrato do Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2023 passou de 12,76% no ajuste anterior para 12,98% e a do DI para janeiro de 2024 subiu de 12,16% para 12,465%.

Já a do DI para janeiro de 2025 avançou de 11,53% para 11,775% e a do DI para janeiro de 2027 teve alta para 11,48% ante os 11,30% da leitura anterior.

Maior alta desde antes do Plano Real

A inflação acelerou em março e subiu 1,62% , segundo dados divulgados pelo IBGE nesta sexta-feira. É a maior alta para um mês de março desde 1994 (42,75%), antes da implantação do plano Real.

É também a maior inflação mensal desde janeiro 2003 (2,25%). Com o resultado, o IPCA acumula alta de 11,30% em 12 meses.

Os números, que foram pressionados pelo aumento nos preços da gasolina, vieram acima das expectativas do mercado.

Os dados de inflação também são importantes, porque ajudam o mercado calibrar suas expectativas para a alta dos juros.

Em suas últimas declarações, o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, vem defendendo a ideia de que o pico da alta dos preços virá em abril e de que o ciclo de altas da Selic poderia se encerrar em maio.

As falas ajudaram a retirar parte do prêmio das curvas de juros futuros, beneficiando ações mais ligadas à economia doméstica. Mas apesar das declarações, muitos analistas seguiram com projeções de Selic no fim do ciclo superiores a do BC.

Leia Também

"Considerando o cenário de inflação pujante, não tem como criarmos um ambiente estável visando o crescimento econômico e o fortalecimento de nichos e da cadeia de uma forma geral. Afeta tanto a economia real quanto os mercados. Pode ser que a gente tenha uma surpresa sobre o patamar que está precificado hoje o fim do ciclo de alta de juros, com a finalização em um patamar mais alto", destaca o economista e sócio da  H3 Invest, Samuel Cunha, ressaltando que

Leia Também

No exterior, os mercados seguem monitorando os desdobramentos da guerra entre Rússia e Ucrânia e avaliando seus efeitos para a economia global, principalmente para a  inflação, após uma semana marcada por sinalizações de bancos centrais importantes de que o aperto monetário irá se acelerar.

Varejistas caem

Entre as ações, as ordinárias da Petrobras (PETR3, com direito a voto) caíam 0,11% e as preferenciais (PETR4, sem direito a voto) subiam 0,32%.

As ordinárias da Vale (VALE3) cediam 0,15% e as da Siderúrgica Nacional (CSNA3) subiam 0,64%.

As preferenciais da Usiminas (USIM5) cediam 0,52%.

No setor financeiro, as preferenciais do Itaú (ITUB4) e do Bradesco (BBDC4) tinham altas de 0,04% e 0,33%, respectivamente.

Na ponta negativa, figuraram papéis de empresas mais sensíveis ao cenário de inflação e juros altos, como as varejistas. 

As ordinárias da Via (VIIA3) caíam 5,88% e as do Magazine Luiza (MGLU3), 5,34%. Os ativos ON da Americanas (AMER3) cediam 3,13%.

Petróleo volátil

Os contratos futuros do petróleo apresentavam volatilidade pela manhã.

Por volta de 10h20, no horário de Brasília, o contrato para junho do petróleo tipo Brent caía 0,17%, cotado a US$ 100,41, o barril.

Já o contrato para maio do tipo WTI avançava 0,07%, negociado a US$ 96,10, o barril.

Bolsas no exterior

As bolsas americanas fecharam com direções contrárias. O índice Dow Jones subiu 0,40% e o S&P caiu 0,26%. A Bolsa Nasdaq cedeu 1,34%.

Na Europa, as bolsas fecharam com altas. A Bolsa de Londres subiu 1,56% e a de Frankfurt, 1,46%. Em Paris, ocorreu avanço de 1,34%.

As bolsas asiáticas fecharam com altas. O índice Nikkei, da Bolsa de Tóquio, subiu 0,36%. Em Hong Kong, houve avanço de 0,29% e, na China, de 0,47%.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários