Banco Central
Redação 1Bilhão
Banco Central

A participação obrigatória de grandes bancos e o papel duplo do Banco Central (BC) como provedor da infraestrutura e regulador foram dois fatores essenciais para o sucesso do Pix, de acordo com um estudo publicado nesta quarta-feira (23) pelo Bank of International Settlements (BIS), conhecido como banco central dos bancos centrais.

De acordo com o documento, a participação obrigatória de grandes instituições financeiras criou uma massa crítica de usuários logo no começo e deu um impulso para que o Pix ganhasse mais força entre a população.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia 

“Quando os bancos viram seus competidores participando, eles foram incentivados a se juntar ao sistema. Em particular, bancos menores que não eram obrigados a participar viram que entrar no Pix era do seu próprio interesse, assim como as instituições de pagamento”, aponta o estudo.

Ainda segundo o estudo, a governança do Pix pelo Banco Central e as regras instituídas também foram importantes para o crescimento do Pix desde seu lançamento, em novembro de 2020.

“O Banco Central do Brasil tratou o desenvolvimento do Pix com uma perspectiva no usuário, focando nas necessidades concretas de famílias e negócios nos seus hábitos de pagamento e nos buracos do sistema atual”, diz.

Leia Também

O número de usuários do Pix dobrou entre novembro de 2020 e março de 2021 e continuou aumentando nos meses seguintes. Em fevereiro, o número de pessoas físicas cadastradas chegou a 113,6 milhões e o de empresas, 8,4 milhões.

O estudo do BIS também apontou que as funcionalidades do Pix, assim como a capacidade de um banco central o operar, são relevantes também para uma possível adoção de uma moeda digital de banco central (CBDC na sigla em inglês). A CBDC está sendo desenvolvida pelo BC brasileiro e por outros ao redor do mundo.

Segundo o estudo, ambas usam identificação digital e criptografia para garantir a privacidade nos pagamentos e também permite que o setor privado ofereça serviços mais baratos. Uma das principais diferenças seria nas funcionalidades da moeda digital, como O GLOBO já mostrou. 

“A racionalidade por trás de uma CBDC é similar àquelas por trás de um sistema de pagamentos instantâneos. Sobre isso, o sucesso do Pix levanta muitas lições importantes”, finaliza. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários