Bolsa sobe e dólar opera em baixa, com alta das commodities
Reprodução/Pixabay
Bolsa sobe e dólar opera em baixa, com alta das commodities

O dólar opera em queda ante o real, voltando a ser negociado abaixo dos R$ 5, e a Bolsa sobe nesta segunda-feira (21). Os ativos domésticos se beneficiam da alta das commodities no dia. Os investidores seguem acompanhando os desdobramentos das negociações entre Rússia e Ucrânia na tentativa de encerrar a guerra enquanto aguardam falas do presidente do Federal Reserve, Banco Central americano, Jerome Powell.

Por volta de 12h, a moeda americana tinha baixa de 1,54%, negociada a R$ 4,9383. No pregão do dia 09 de março, a divisa já havia quebrado a barreira dos R$ 5, quando chegou a ser cotada em R$ 4,9855.

No mesmo horário, o Ibovespa subia 0,47%, aos 115.853 pontos.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia

No exterior, as bolsas apresentavam direções contrárias  enquanto o petróleo tinha alta.

O operador de câmbio da Fair Corretora, Hideaki Iha, destaca a alta das commodities, entre elas o petróleo e o minério de ferro, como um dos principais fatores responsáveis pela queda da divisa no dia.

"Nós somos produtores desses produtos e os juros também têm ajudado. A entrada de fluxo estrangeiro também continua positiva".

Para Iha, a deterioração das expectativas para a inflação e o aumento das previsões de juros contidas no  Boletim Focus, relatório semanal divulgado pelo BC, também influenciam no movimento, já que reforçam o diferencial de juros do país frente aos pares.

O operador acredita que nas próximas semanas, o real ainda tende a surfar no campo positivo, especialmente enquanto perdurar a guerra. Por um lado, se o conflito tende a pressionar a, já elevada, inflação global, do outro, ele coloca o Brasil como um emergente mais atraente, na comparação relativa, frente a seus pares.

Jogam contra a nossa moeda os já conhecidos riscos fiscais e a possibilidade de uma postura mais rígida adotada pelo Fed.

"No curto prazo, enquanto as commodities estiverem nesse patamar e o fluxo entrando, isso favorece o real", disse Iha, destacando que acredita em um dólar acima dos R$ 5 ao término do ano.

Juros e guerra

Os comentários de Powell são relevantes, pois podem dar pistas aos investidores sobre o planejamento dos próximos passos a respeito da normalização da política monetária no país.

Na semana passada, o Fed anunciou a primeira elevação nas taxas básicas desde 2018 ao subir os juros em 0,25 ponto percentual. Durante entrevista coletiva após o anúncio, Powell indicou que altas maiores podem ser feitas ao longo do ciclo, a depender das condições econômicas.

No front geopolítico, as negociações entre russos e ucranianos não parecem apresentar progressos, o que contribui para a elevação do preço do petróleo no exterior.

Nesta segunda-feira, a vice-primeira-ministra da Ucrânia, Iryna Vershchuk, disse que não havia chance de as forças do país se renderem na cidade portuária de Mariupol.

Leia Também

"A falta de sucesso de tentativas anteriores e continuidade nos ataques em solo ucraniano mantêm viva a incerteza na mente dos investidores. [...] O receio de que um aperto monetário agressivo por parte do Fed, que deve priorizar o combate à inflação, resulte em uma forte desaceleração da atividade econômica segue entre os principais pontos de cautela", destacaram analistas da Guide Investimentos, em nota matinal.

Boletim Focus: mais inflação

Na cena interna, os agentes de mercado repercutem as novas estimativas contidas no Boletim Focus.

As projeções para a inflação ao final deste ano subiram pela décima semana consecutiva, passando de 6,45% para 6,59%. O número é superior ao teto da meta do BC, que é de 5%.

Para o término de 2023, as estimativas passaram de 3,70% para 3,75%.

No caso da taxa básica de juros, as estimativas para o final deste ano subiram de 12,75% para 13% e, para o término de 2023, de 8,75% para 9%.

A previsão para o Produto Interno Bruto (PIB) para o final de 2022 teve alta de 0,49% para 0,50%. No entanto, houve recuo de 1,43% para 1,30% no final de 2023.

Petrobras e Vale sobem

Entre as ações, as ordinárias da Petrobras (PETR3, com direito a voto) subiam 2,96%, e as preferenciais (PETR4, sem direito a voto), 3,01%, em linha com a alta do petróleo no exterior.

As ordinárias da PetroRio (PRIO3) avançavam 1,85%, e as da 3RPetroleum (RRRP3), 3,15%.

Em dia positivo para o minério de ferro negociado na China, as ordinárias da Vale (VALE3) avançavam 2,23%, e as da Siderúrgica Nacional (CSNA3), 2,57%.

As preferenciais da Usiminas (USIM5) subiam 1,16%.

No setor financeiro, as preferenciais do Itaú (ITUB4) e do Bradesco (BBDC4)  tinham altas de 1,75% e 1,28%, respectivamente.

Eletrobras cai, após balanço

Após as divulgação do balanço, os papéis da Eletrobras subiam. A empresa teve lucro líquido de R$ 610 milhões no quarto trimestre, recuo de 52% ante igual período de 2020.

A receita líquida totalizou R$ 11,49 bilhões, alta de 27%. O Ebitda, lucro antes de juros impostos, depreciação e amortização, totalizou R$ 2,40 bilhões, ante resultado negativo de R$ 299 milhões no mesmo período de 2020.

Os papéis ON (ELET3) e PN (ELET6) tinham quedas de 1,48% e 1,29%, respectivamente.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários