Vladimir Putin, presidente russo
Reprodução/Ansa - 16.03.2022
Vladimir Putin, presidente russo

A Rússia emitiu ordem para honrar o pagamento de US$ 117 milhões em juros de sua dívida externa que venceram na quarta-feira, numa tentativa de evitar o calote. Mas até agora não se sabe se os credores verão a cor do dinheiro.

Os russos usaram os recursos de suas reservas internacionais para efetuar o pagamento. No entanto, esses recursos estão bloqueados devido a sanções impostas pelos EUA e aliados, após a invasão da Ucrânia.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia 

Agora, depende do governo americano a decisão se os fundos serão liberados ou não para que o país honre sua dívida, diz o ministro de Finanças da Rússia, Anton Siluanov.

Em nota divulgada nesta quinta-feira, Siluanov disse que a ordem de pagamento foi feita em 14 de março e que uma filial do Citi em Londres seria o agente responsável pela operação.

Na nota, o ministro afirmou que emitiria um novo comunicado quando o banco recebesse o pagamento, o que até agora não foi feito. Procurado pela Bloomberg, o Citi não se manifestou.

"A possibilidade ou impossibilidade de cumprirmos nossas obrigações em moeda estrangeira não depende de nós. Temos o dinheiro, fizemos o pagamento. Agora, a bola está com a corte americana", afirmou Siluanov à TV estatal Russia Today.

Pagamento não pode ser feito em rublos

A porta-voz do Tesouro dos EUA disse que o governo vai autorizar o pagamento, mas ainda não se tem notícia de que isso foi feito.

Leia Também

Os juros devidos a credores se referem a títulos denominados em dólar. O governo russo disse que, se o pagamento for bloqueado pelos EUA, vai fazê-lo em rublos.

Na avaliação da agência de classificação de risco Fitch, porém, a tentativa de pagar a dívida em moeda nacional seria considerada calote, pois os termos dos títulos não permitem o pagamento em outra divisa que não a moeda americana.

Caso isso aconteça, será a primeira vez que a Rússia dará calote de sua dívida externa desde a Revolução Bolchevique de 1917, quando os bolcheviques não reconheceram a dívida do período czarista.

Novo vencimento de US$ 2 bi

No início deste mês, as agências de classificação de risco cortaram a nota de crédito da Rússia para junk ou lixo, o que já significava que era grande a chance de calote. 

Tecnicamente, o país só pode ser considerado oficialmente inadimplente após um período de carência de 30 dias, contados a partir de hoje.

Ainda não está claro o que vai acontecer daqui para a frente. A Rússia tem cerca de US$ 630 bilhões em reservas internacionais, mas metade desse valor está bloqueado por causa das sanções.

Um novo pagamento, desta vez de US$ 2 bilhões, tem vencimento no início de abril, o que pode dar mais dor de cabeça a Moscou.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários