Ministério da Economia
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Ministério da Economia

O Ministério da Economia reduziu sua projeção de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) para 2022 de 2,1% para 1,5%. A pasta também revisou a estimativa de inflação medida pelo IPCA para 6,55%, taxa acima da prevista anteriormente, de 4,7%. 

Os números foram divulgados, nesta quinta-feira (17), pelo órgão. Esses e outros indicadores macroeconômicos servem de parâmetros para a revisão bimestral do Orçamento, que deverá ser concluída no início da próxima semana. 

Entre no canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia 

Para 2023, as projeções para o PIB e a inflação, feitas pela área econômica do governo, são de, respectivamente, um crescimento maior da economia, de 2,5%, e uma taxa menor do IPCA, de 3,25%. No ano passado, a economia cresceu 4,6%, depois de uma queda de 4,1% em 2020, devido aos efeitos da pandemia de Covid-19. 

Entre fatores positivos para impulsionar o crescimento em 2022, o Ministério da Economia destaca a taxa de poupança elevada, a recuperação do setor de serviços, a contínua melhora do mercado de trabalho e o “robusto investimento”, tanto privado como em parceria com o setor público. No entanto, reconhece que há riscos neste ano a serem monitorados, especialmente a guerra na Ucrânia e seus impactos nas cadeias globais de valor, que já apresentam gargalos devido à pandemia.  

“Adicionalmente, o risco da pandemia sobre o crescimento econômico e a inflação continuam sendo avaliados”, diz a pasta.  

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários