ICMS poderá subir em nove estados
Felipe Moreno
ICMS poderá subir em nove estados

As mudanças na cobrança do ICMS sobre o diesel, impostas pela Lei Complementar 192, em vigor desde sexta-feira (11), pode levar a aumento de carga tributária em nove estados, incluindo Rio de Janeiro e o Distrito Federal. Isso porque as alíquotas do imposto são diferenciadas entre os estados, variando entre 12% e 18%, e a nova legislação exige um percentual único em todo o país. 

Segundo integrantes do Comitê Nacional de Secretários Estaduais de Fazenda (Comsefaz), a definição de uma alíquota média, de 15,6% por exemplo, pode elevar o imposto nos estados que cobram menos ICMS. 

Contudo, não é uma conta simples, porque depende da ponderação da alíquota do estados do volume de seu consumo, o que dificulta uma medida matemática entre a soma de todas as alíquotas e a divisão pelo número de estados.

Entretanto, o Distrito Federal, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e Tocantins cobram uma alíquota inferior à média simples dos estados.

Além de uma alíquota do ICMS,  os estados terão que adotar uma nova sistemática de cobrança do imposto,  a partir de um valor fixo por litro (ad rem), e a incidência em uma única vez.     

Pela nova legislação, eles não poderão elevar a carga tributária geral, ou seja, o teto de arrecadação atual, considerando o conjunto dos estados não pode subir. Além disso, o objetivo das novas regras é reduzir o ICMS.  

Leia Também

Tentativa de acordo sobre alíquota única

O Comsefaz vai se reunir nessa quinta-feira em busca de um acordo sobre a alíquota única do ICMS sobre o diesel. Segundo integrantes do colegiado, há uma tentativa de evitar aumento de carga, ainda que localizado. Mas ainda não há uma alternativa.  

Quer ficar bem informado sobre tudo que acontece na economia do Brasil e do Mundo? Acompanhe o  canal do Brasil Econômico no Telegram

A nova lei cria uma espécie de fundo para compensar estados que eventualmente vão perder receita. Contudo, a medida é considerada inócua por parte de integrantes do Comsefaz porque nenhum estado com excesso de arrecadação vai se dispor a fazer “bondades” e transferir recursos para outro ente.

A nova lei abrange a gasolina e o gás de cozinha, mas dá prazo especificamente para as mudanças na cobrança do ICMS sobre o diesel. Os estados são obrigados a se adequarem até 31 de dezembro de 2022. Caso contrário, o preço de referência será calculado com base na média de preços do produto nos últimos cinco anos, o que gera perda na arrecadação para os estados.

Sem uma solução à vista, os estados vão adotar, no curto prazo, o valor de referência do preço do diesel nos últimos cinco anos, a partir de abril. Cada estado mantém a sua alíquota, mas na média o valor médio na bomba deve cair 25%, segundo estimativas.  

Em outra frente, os estados estão se preparando para recorrer da mudança na cobrança do ICMS ao Supremo Tribunal Federal (STF). Isso poderá ser definido ainda nesta semana.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários