Europa confisca iates de luxo de bilionários russos
Azimut / Reprodução
Europa confisca iates de luxo de bilionários russos

Bilionários russos que moram na Europa tiveram seus bens de luxo confiscados nesta semana como parte das sanções impostas à Rússia, após a invasão à Ucrânia.

Na França, autoridades alfandegárias informaram terem apreendido um iate de 280 pés ligados ao oligarca Igor Sechin, presidente-executivo da gigante de petróleo russa Rosneft.

O barco é de propriedade de uma empresa cujo principal acionista é o chefe da petrolífera, segundo o Ministério das Finanças francês.

Chamado de Amore Vero, ele foi interceptado durante a noite desta quarta-feira (2) no porto mediterrâneo de La Ciotat, enquanto se preparava para partir com urgência. O superiate havia chegado a La Ciotat em 3 de janeiro e deveria permanecer no porto até 1º de abril para reparos.

Sechin foi vice-primeiro-ministro da Rússia de 2008 a 2012.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia

Na Alemanha, o maior iate do mundo, de propriedade do bilionário russo Alisher Usmanov, teria sido confiscado em Hamburgo, segundo a Forbes. Criado em 2016, o Dilbar tem 512 pés e é avaliado em cerca de US$ 600 milhões.

O barco estava em um estaleiro alemão desde outubro esperando passar por reformas.

Ao jornal britânico The Guardian , no entanto, autoridades alemãs negaram a apreensão.

Sechin e Usmanov fazem parte de um grupo de pessoas mais ricas da Rússia sancionadas pela União Europeia após o ataque à Ucrânia.

Dono de bot que revela voos de Elon Musk monitora bilionários russos

Leia Também

Com as restrições, magnatas russos têm enviado seus barcos para as Maldivas, na Ásia, região que não tem tratado de extradição com os Estados Unidos.

Em discurso na última terça, o presidente americano Joe Biden afirmou sobre a elite russa: "Estamos nos unindo aos nossos aliados europeus para encontrar e apreender seus iates, seus apartamentos de luxo, seus jatos particulares".

O Bloomberg Billionaires Index. revelou que as 21 pessoas mais ricas da Rússia já perderam juntas US$ 84 bilhões neste ano. Somente no dia anterior ao ataque à Ucrânia, a perda foi de US$ 39 bilhões.

Diante do aumento das sanções, magnatas russos voltaram a se manifestar contra a invasão e pediram à Rússia que encerre a guerra. Em um comunicado, os bilionários Petr Aven e Mikhail Fridman apelaram para que o país pare de atacar seu vizinho.

"Estamos totalmente claros: a Rússia deve acabar com essa guerra agora", disseram eles em declaração à qual a agência Bloomberg teve acesso. "A cada novo dia, estamos novamente profundamente chocados e tristes com a terrível destruição enfrentada pela Ucrânia e pelos ucranianos, muitos dos quais são nossos amigos e parentes".

Fridman, que nasceu na Ucrânia, foi um dos primeiros bilionários a se manifestar contra as ordens de invasão de Vladimir Putin,  pedindo o "fim do derramamento de sangue".

Ele é presidente do conselho do Alfa Group, um conglomerado privado que atua principalmente na Rússia e em ex-repúblicas soviéticas, nos setores de bancos, seguros, varejo e produção de água mineral. Sua fortuna é avaliada em US$ 11,4 bilhões, de acordo com a Bloomberg.

Friedman também é presidente do conselho do Alfa Bank, a quarta maior firma de serviços financeiros da Rússia e o maior banco do setor privado.

Aven, por sua vez, é empresário e economista e dirige o Alfa Bank.  A instituição foi atingida na semana passada pelas sanções ocidentais.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários