Bilionários russos
Reprodução Twitter
Bilionários russos

Diante dos impactos econômicos decorrentes da invasão da Ucrânia pela Rússia, ao menos dois oligarcas, Mikhail Fridman e Oleg Deripaska, romperam fileiras com o Kremlin, segundo a CNN, e pedem o fim da guerra, em curso desde a última quinta-feira.

Fridman, que nasceu na Ucrânia, pediu o "final do derramamento de sangue", em carta enviada aos funcionários. No documento, ele conta que é filho de ucranianos.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia 

"Eu sou muito apegado aos povos russo e ucraniano e vejo o atual conflito como uma tragédia para os dois lados", afirmou. "Essa crise vai custar vidas e destruir duas nações que foram irmãs por centenas de anos. Enquanto uma solução parece assustadoramente longe, eu posso apenas me juntar aos que desejam fervorosamente que o derramamento de sangue acabe", concluiu a carta, antecipada pelo jornal Financial Times.

Fridman é presidente do conselho do Alfa Group, um conglomerado privado que atua principalmente na Rússia e em ex-repúblicas soviéticas, que atua nos setores de bancos, seguros, varejo e produção de água mineral. Sua fortuna é avaliada em US$ 11,4 bilhões, se acordo com o índice de bilionários da Bloomberg.

Ele também é presidente do conselho do Alfa Bank, a quarta maior firma de serviços financeiros da Rússia e o maior banco do setor privado. A instituição foi atingida na semana passada por sanções que vão impedir que ela levante recursos por meio do mercado americano.

Leia Também

Outro magnata russo também teria repudiado a invasão da Ucrânia, segundo a CNN. Deripaska construiu seu patrimônio com negócios no setor do alumínio. Em mensagens enviadas no Telegram nos últimos dias, ele vem pregando a importância da paz e a necessidade de avançar nas negociações o quanto antes.

“Realmente quero esclarecimentos e comentários inteligíveis sobre política econômica para os próximos três meses”, disse Deripaska, acrescentando que as decisões do banco central de elevar os juros e de forçar empresas a vender moeda estrangeira são “o primeiro teste de quem vai realmente pagar a conta deste banquete”. E acrescentou: “É necessário mudar a política econômica, precisamos colocar um fim a esse capitalismo de Estado”, acrescentou.

Deripaska tem fortuna estimada em US$ 28 bilhões, de acordo com dados da Forbes de 2008. Em 2018, ele foi alvo de sanções dos EUA, que observaram que o oligarca supostamente “não se separa do Estado russo”.

Os oligarcas russos enfrentam punições do Ocidente após a invasão da Ucrânia pela Rússia. EUA e aliados, incluindo Reino Unido, responderam mirando indivíduos ricos que são próximos do Kremlin com sanções.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários