Carteira de trabalho
shutterstock
Carteira de trabalho

A taxa média de desemprego caiu para 13,2% em 2021. É uma leve melhora em relação à registrada no primeiro ano da pandemia, quando a Covid forçou o fechamento do comércio e levou à paralisação de fábricas. Ainda assim, a taxa do ano passado é a segunda maior da série histórica do IBGE, iniciada em 2012. No primeiro ano da pandemia, o índice foi de 13,8%.Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) e foram divulgados nesta quinta-feira pelo IBGE.

O patamar pré-pandemia ainda não foi recuperado. O país fechou o ano com 13,9 milhões de pessoas na fila por um emprego. Em 2019, a taxa anual de desemprego foi de 12%.

Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) e foram divulgados nesta quinta-feira pelo IBGE.

Apesar da trajetória de queda do desemprego, economistas destacam que a recuperação do mercado de trabalho tem ocorrido, principalmente, em vagas informais, de baixa qualidade e menor rendimento.

Leia Também

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia 

Isso porque, diante da melhora da pandemia de Covid-19 e da reabertura da economia, parte da população que estava em situação de desalento ou fora do mercado de trabalho passou a procurar emprego, o que amplia a oferta de mão de obra em meio à atividade ainda fraca.

O cenário de inflação elevada, juros altos e alto nível de endividamento das famílias e empresas tem minado a retomada de empregos de forma sustentada.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários