Dono da Itapemirim teria gerenciado empresas de forma predatória
Itapemirim Transportes Aéreos/ Divulgação
Dono da Itapemirim teria gerenciado empresas de forma predatória

Sidnei Piva de Jesus, dono da Itapemirim Transportes Aéreos (ITA), que  suspendeu suas operações e deixou passageiros na mão neste final de ano, teria adquirido de modo predatório outras empresas em processo de falência. O empresário ainda é acusado de aplicar golpes. As informações são da CNN.

Sidnei costuma negociar em parceria com os empresário Camila Valdívia e Milton Rodrigues. Juntos, eles colecionam processos: só no Tribunal de Justiça de São Paulo, o nome de Sidnei aparece em 60 ações, o de Camila em 27, e o de Milton em 25.

À CNN, o advogado Fernando Barros, que representa os ex-proprietários da Matrizaria Morillo, uma das empresas adquiridas pelo dono da Itapemirim, afirma que Sidnei e seus parceiros compravam empresas à beira da falência por valores baixos, que não chegavam a ser integralmente pagos, descumpriam contratos e faziam novas dívidas em nome dos antigos proprietários.

O advogado afirma que não há dúvidas de que os ex-proprietários da Matrizaria Morillo foram vítimas de um golpe. Ele acredita, ainda, que as práticas eram premeditadas, levando em consideração o histórico do empresário com outras companhias.

A própria compra do Grupo Itapemirim levanta suspeitas. Ex-proprietários da empresa acusam Sidnei de ter corrompido um juíz para validar um documento que deu a ele acesso aos bens imóveis da companhia.

Leia Também

O caso Matrizaria Morillo

De acordo com apuração da CNN, em 2015 Sidnei teria fechado contrato de compra das ações da empresa por R$ 13 milhões, garantindo que assumiria todas as dívidas. O empresário, porém, pagou apenas a primeira parcela do acordo, de R$ 200 mil.

Depois de assumir a companhia, ele transferiu o controle dela para "laranjas". Sidnei teria, então, vendido equipamentos e propriedades da empresa, dado calore em credores e contraído novas dívidas. Além disso, os antigos proprietários foram mantidos como responsáveis legais pelas novas dívidas. Eles, agora, processam Sidnei em R$ 20 milhões, em um caso que ainda não tem data para julgamento.

"A intenção dos ex-proprietários ao abrir o processo foi também para mostrar que foram vítimas e evitar que isso se repita com outras pessoas. Não se trata apenas de recuperar o que foi perdido", afirma o advogado à CNN.

Em nota à CNN, o Grupo Itapemirim afirmou que Sidnei nega qualquer irregularidade. A empresa afirma que os imóveis da Matrizaria foram vendidos para pagarem processos trabalhistas, e que esse seria o principal descontentamento dos ex-proprietários da companhia. Também em nota, Milton Rodrigues disse que desconhece qualquer transação que envolve ou envolveu a Matrizaria Morilo.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários