Tereza Cristina
Reprodução
Tereza Cristina

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmou que, após a  liberação do ingresso na China da carne bovina com certificados sanitários emitidos até 3 de setembro — um dia antes do anúncio dos casos de vaca louca no interior do país — o próximo passo será o fim do embargo "daqui para frente”. Ou seja, a volta das compras, pelos chineses, de carnes produzidas após a Organização Mundial de Saúde Animal anunciar, dois dias depois da notificação, que o Brasil continua com status de país de risco insignificante para a doença. 

"A liberação dos certificados sanitários emitidos até o dia 3 de setembro alivia um pouco os exportadores. Havia muitos contêineres no mar. Agora temos o próximo passo, que é liberar a carne brasileira daqui para frente", disse a ministra. 

Tereza Cristina disse que as negociações com as autoridades chinesas estão em andamento. Ela acredita que a situação será resolvida até o próximo mês.  

Segundo a ministra, parte do que não foi para a China acabou sendo vendido nos Estados Unidos. Daí a reação dos pecuaristas americanos, que pediram ao governo dos EUA que suspendesse a entrada de carne bovina in natura do Brasil.

Leia Também

"Não acredito em suspensão pelos EUA, pois seria um embargo comercial, uma vez que não há motivo sanitário para isso."

Ela voltou a afirmar que a carne brasileira é segura:

"Não tem nada descontrolado, nunca houve. Foram casos atípicos. Tanto que a autoridade mundial, que é a OIE (Organização Mundial da Saúde Animal, sigla em inglês) liberou o Brasil em dois ou três dias. Rapidamente o caso foi concluído e todos os países membros da OIE liberaram a carne (brasileira). Só a China que tem um protocolo diferente com o Brasil e que o Brasil teve que fazer a sua auto suspensão. Por isso, só a China ficou com esse problema, mas está tudo solucionado. Não existe nenhum motivo para preocupação nem dos nossos consumidores, nem dos consumidores externos", disse a ministra.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários