Vídeo divulgado no WhatsApp
Reprodução
Vídeo divulgado no WhatsApp

Após reajustes sucessivos no preço dos combustíveis, os caminhoneiros autônomos do Mato Grosso ligados ao agronegócio do país resolveram paralisar suas atividades. A Justiça proibiu o bloqueio de rodovias, mas a categoria segue mobilizada para reduzir o preço do frete. 

Em vídeo que circula no WhatsApp divulgado pela revista Exame, um representante diz que "continua firme e forte parado" e "não vai carregar frete ruim".

Ele diz que conversou com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, e ele teria dito que os comerciantes pediram que os caminhoneiros voltassem ao trabalho. O representante diz ainda que o ministro disse para eles continuarem a greve.

"Dessa vez vocês não vão conseguir porque nós não estamos trancando pista, cometendo erro. Eu nunca cometi esse erro, meus colegas várias vezes cometeram esse erro e dessa vez entramos num acordo de não fazer essa besteira ai", diz.

"Vamos ver até onde eles aguentam com o procuto deles estocado", adiciona o grevista.

Na segunda-feira (8), os  caminhoneiros autônomos que atuam no Porto de Santos (SP) encerraram a greve.

Leia Também

A assembleia que definiu o fim da greve aconteceu na tarde de segunda-feira no Sindicato dos Operários Portuários de Santos (Sintraport). De acordo com a Santos Port Authority (SPA), o acesso ao Porto de Santos fluiu normalmente durante os dias de paralisação, e não houve concentração de caminhões parados.

"Esse tipo de paralisação é o que recomendamos, algo que não pare as estradas e ao mesmo seja eficaz”, disse à revista Marlon Maues, diretor-executivo da Confederação Nacional Transportadores Autônomos (CNTA). “Em algumas situações, como no caso da paralisação recente no porto de Santos, a categoria conseguiu ganhos superiores aos da tabela de frete”, completou.

Um dos principais fatores de descontentamento dos motoristas autônomos é em relação aos reajustes no frete não acompanharem o preço do diesel, que subiu subiu 65,3% nas refinarias neste ano.

O presidente Jair Bolsonaro acredita que se a Petrobras reajustar o preço do diesel novamente, a adesão à greve dos caminhoneiros deve aumentar . Há uma semana, ele disse que a estatal anunciaria um novo aumento "dentro de 20 dias". Na ocasião, a empresa negou que repasse informações ao presidente. 

“Você não tem como fazer milagre, é uma correia de transmissão essa questão. Inclusive a Petrobras já fala em um novo reajuste. Eu não vou omitir informações, essa é uma realidade que está acontecendo e você vê já cada vez mais crescendo tendência de caminhoneiros de parar o Brasil”, disse ele em entrevista à Jovem Pan Curitiba nesta segunda.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários