Rodrigo Pacheco não prometeu aprovação da reforma do IR na forma que está
Jefferson Rudy/Agência Senado
Rodrigo Pacheco não prometeu aprovação da reforma do IR na forma que está

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou nesta sexta-feira (01) que a reforma do Imposto de Renda não deve ser votada até outubro pela Casa. Segundo Pacheco, será necessária a realização de audiências públicas na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) antes de colocar a proposta em plenário.

O Palácio do Planalto tem pressionado congressistas a agilizar a tramitação da proposta e acreditava na aprovação da matéria até o começo da segunda quinzena de outubro. Nesta sexta, o ministro da Economia cobrou ajuda do Congresso Nacional na aprovação da proposta e disse que o novo Bolsa Família dependerá do IR e dos precatórios.

"Acho difícil IR chegar ao plenário ainda em outubro, mas vamos trabalhar por isso, mas ainda há o amadurecimento na Comissão de Assuntos Econômicos, não é uma tarefa fácil", disse Pacheco, em entrevista à Rádio Gaúcha.

Rodrigo Pacheco também não deu certeza da aprovação da proposta da forma de que está. O senador prevê diversas alterações e possibilidade de devolver o texto à Câmara, caso a medida seja aprovada pelos senadores.

Leia Também

Entretanto, o relator da proposta, senador Ângelo Coronel (PSD-BA), afirmou que a proposta só deve ser colocada em plenário em 2022. O parlamentar disse acreditar que a votação em outubro ficará apenas na promessa, pois há pouco tempo para estudar e analisar propostas de senadores e especialistas.

Em entrevista, o presidente do Senado voltou a dizer que vê risco em condicionar o Auxílio Brasil aos precatórios e a reforma do IR. O novo programa, que substituirá o Bolsa Família em 2022, deve ser reajustado para R$ 300 por mês, além de acrescentar cerca de 4 milhões de beneficiários.

"Tenho buscado alternativas porque acho temerário apostar todas as fichas projeto social tão importante em um projeto que sequer foi aprovado ainda", disse.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários