Em entrevista à Rádio Gaúcha, presidente do Senado disse que não é hora de buscar culpados, e cobra 'viés social' da Petrobras
Reprodução
Em entrevista à Rádio Gaúcha, presidente do Senado disse que não é hora de buscar culpados, e cobra 'viés social' da Petrobras

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou nesta sexta-feira que a instabilidade política é um dos principais fatores para o aumento do preço dos combustíveis e que os chefes dos Poderes devem atuar juntos para buscar soluções, sem apontar culpados. Pacheco também cobrou um 'viés social' da Petrobras, como empresa pública, para ajudar as instituições na resolução do problema, destacando que a questão influencia na inflação. E defendeu a aprovação de uma proposta no Congresso para unificar a alíquota do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) nos estados em valores fixos, não em percentuais.

"A despeito de se terem culpados em todas as situações, não é hora de buscar culpados. Nós temos que identificar o problema e assumir o compromisso de resolver. Esse é um problema do Congresso Nacional, é um problema meu, é um problema do presidente Arthur Lira, do presidente Jair Bolsonaro. Nós temos que dar solução a esse problema dos combustíveis. É óbvio que nós estamos vivendo essa situação por conta de instabilidade politica", disse Pacheco, na entrevista à Rádio Gaúcha, pela manhã.

Segundo ele, a instabilidade institucional gera o desequilíbrio no câmbio, com a consequente desvalorização do real. Pacheco reforçou que o dólar alto "acaba pressionando diversos setores da economia, inclusive dos combustíveis".

"Por isso, o que nós temos que fazer é buscar estabilidade para que possamos ter controle do câmbio e consequentemente controle do preço dos combustíveis. Isso é muito importante."

Leia Também

Em seguida, ele destacou a necessidade da participação da Petrobras na solução do problema, que, para o presidente do Senado, deve cumprir a sua função social:

"Mais do que nunca a sociedade precisa dela e do viés social da Petrobras. Ela não pode ser só uma empresa que pensa em lucro o tempo inteiro e distribuir dinheiro para acionista. Eu sei que o mercado defende muito isso, mas não é a razão de ser dela único. Ela tem que ter um papel social de estabilização de preços porque isso tem uma função social inclusive de conter a inflação. Esse papel é importante para a solução do problema, inclusive cedendo na relação com investidores para que haja reflexo para a sociedade do proveito da Petrobras."

Leia Também

Por fim, Pacheco destacou a necessidade de uma "discussão tributária séria" em relação aos combustíveis, com foco no combate à sonegação, que afirmou ser "uma realidade muito forte no setor". Para isso, lembrou que há um projeto com este fim, apelidado de devedor contumaz, em tramitação no Congresso.

E lembrou de outro projeto pela unificação de alíquota de ICMS entre estados com um alíquota em valor e não em percentual, porque, na visão do presidente do Senado, o percentual acaba gerando distorções.

Esta semana, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), culpou os governadores. De acordo com Lira, "o que faz o combustível ficar caro são os impostos estaduais".

"Os governadores têm que se sensibilizar. E o Congresso Nacional vai debater um projeto que trata do imposto do ICMS ad rem, para que tenha valor fixo", declarou Lira, na última terça-feira.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários