Bolsonaro assinou medida que extingue o horário de verão em 2019
Marcos Corrêa/PR
Bolsonaro assinou medida que extingue o horário de verão em 2019

Após pressão de empresários dos setores de hotelaria, turismo e serviços de vários estados, o governo decidiu encomendar novos estudos sobre os impactos do horário de verão na economia. O Ministério de Minas e Energia entende que adiantar os relógios uma hora não traz benefícios, mas está disposto a rever a posição. 

O responsável por apresentar o estudo será o ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), com objetivo de apresentar uma resposta aos setores que cobram a volta do regime.

"A contribuição do horário de verão é limitada, tendo em vista que, nos últimos anos, houve mudanças no hábito de consumo de energia da população, deslocando o maior consumo diário de energia para o período diurno", diz o ministério, em nota.

"Assim, no momento, o MME não identificou que a aplicação do horário de verão traga benefícios para redução da demanda", continua, frisando que pediu que o ONS "reexaminasse a questão". Segundo a Folha de São Paulo, o ONS disse que não comentaria o tema.

Em 2019, uma das primeiras medidas do presidente Jair Bolsonaro foi acabar com o horário de verão.

Além de diversos empresários, entre eles Luciano Hang, apoiador do presidente e dono das lojas Havan, nesta segunda-feira (13), o pleito ganhou apoio também do ICS (Instituto Clima e Sociedade), Idec (Instituto de Defesa do Consumidor) e IEI (sigla para Iniciativa Energética Internacional), que consideram que o governo precisa lançar mão de todas as medidas de economia possíveis.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários