Celular com o logo do Pix na tela
Lorena Amaro
Pix cobrança é alternativa ao boleto


O Banco Central anunciou nesta quinta-feira (29), novas funcionalidades para o Pix , o serviço de pagamentos instantâneos. Entre elas, está o Pix Cobrança , que permitirá que lojistas, fornecedores, prestadores de serviços e outros empreendedores possam emitir um QR Code para operações de pagamento imediato ou em data futura com informações sobre juros, multas e descontos.


Dessa forma, o Pix poderá substituir o tradicional boleto , que usa o código de barras. O BC também atualizou algumas regras sobre a gratuidade do uso do sistema, considerando não apenas os pagamentos via QR Codes, mas também transferências.

Como vai funcionar o Pix Cobrança

Quando o Pix Cobrança estará disponível?

O Pix Cobrança para pagamentos imediatos poderá ser feito já a partir do lançamento do novo sistema, marcado para 16 de novembro. Já o Pix Cobrança para pagamentos com vencimento (data futura) “será ofertado em breve”, informou o BC.

Haverá tarifas nas transações?

O Pix será gratuito para pessoas físicas, empresários individuais e microempresários individuais (MEIs). No entanto, para o uso comercial, ele será tarifado em duas situações. Na primeira, se o recebimento for por QR Code dinâmico, que apresenta mais possibilidades de configuração do que o QR Code estático.

Na segunda, se a conta receber mais de trinta transações no mês. Nesse último caso, o banco terá de verificar se a pessoa está fazendo uso comercial do Pix e, se confirmar, cobrar uma tarifa a partir de 31ª transação.

Qual a diferença entre QR Code dinâmico e estático?

O estático poderá ser utilizado para transferências ou no comércio quando as informações para pagamentos não mudam, incluindo o valor do pagamento (exemplo: um sorveteiro, em que o preço do picolé é o mesmo sempre).

O dinâmico poderá ser utilizado no comércio quando as informações para pagamentos mudam a cada momento (ex: em um supermercado, quando o valor de cada compra é diferente).

Como será a fase de testes do Pix?

O Pix entra em operação no próximo dia 3 para uma base restrita de clientes e em horários reduzidos. Segundo o Banco Central, o serviço estará disponível para que um grupo de usuários faça testes e os desenvolvedores detectem possíveis ajustes.

Entre 3 e 8 de novembro, um grupo de 1% a 5% da base de clientes cadastrada no Pix poderá fazer as primeiras operações entre 9h e 22h. Do dia 9 até o 15, o BC avaliará a ampliação do número de clientes se os resultados forem bons.

Ao longo das semanas de teste, todos os cadastrados poderão receber dinheiro pelo Pix , mas não transferir. Apenas os selecionados terão todas as funcionalidades em mãos. No dia 16, às 9h, as operações serão liberadas a todos, prevê o BC.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários