Líder de pirâmide financeira é assassinado e corpo é dividido em malas

Um promotor chileno da OneCoin , identificado como Oscar Brito , de 30 anos, foi encontrado morto no México, junto com seu parceiro argentino Ignacio Ibarra .

Assim, segundo informações, as vítimas foram sequestradas no início de julho e seus corpos foram encontrados dentro de duas malas em Mazatlán , no estado de Sinaloa .

Corpo encontrado no México

Ambos chegaram ao México em março para promover as operações da Comercializadora Latino-americana de Automotores ( CLA ).

Trata-se de um intermediário entre compradores e fabricantes de veículos que aceitavam a OneCoin para compra de carros.

De acordo com as informações, Brito estava ansioso para capitalizar seu investimento na OneCoin .

Em seguida, ele tomou conhecimento da existência da trading que já estava operando na Colômbia e na Argentina .

Assim, segundo as autoridades, Brito conheceu Ibarra no Chile em reuniões de negócios para atrair potenciais compradores da OneCoin .

Em fevereiro, o chileno foi convidado por Ibarra e outro colega de trabalho no México para visitar os supostos escritórios da empresa.

Pego em viagem

A viagem de Brito deve ter durado alguns dias, no entanto, devido à pandemia de coronavírus e ao fechamento dos países, ele ficou preso no México junto com Ibarra .

Assim, a presença do chileno no país seria para verificar a legitimidade do negócio, pois havia reclamações de que era uma farsa.

Porém as razões que motivaram Brito e Ibarra a viajar para Mazatlán são desconhecidas.

Enquanto algumas versões indicam que se tratava de problemas trabalhistas, outras apontam para uma viagem de férias.

Investigação sobre o assassinato

A Procuradoria Geral do Estado abriu uma investigação para determinar o motivo do duplo assassinato e encontrar os responsáveis. E as autoridades não descartam nenhuma teoria relacionada a máfias ou tráfico de drogas.

No entanto, os amigos de Brito garantem que ele não se envolveria em pequenos negócios ilícitos.

A família chilena preferiu manter a privacidade do caso e se concentrar no repatriamento do corpo. Brito era da comuna de Recoleta e deixou uma filha.

Desenvolvedor OneCoin

Em sua página no Facebook , Brito compartilhava conteúdos sobre criptomoedas. Até mesmo a apresentação de sua página na rede social é um antigo vídeo promocional da OneCoin .

Assim, não se sabe desde quando o chileno esteve envolvido no projeto, mas informações relacionadas foram publicadas em seu Facebook pela primeira vez em 2017.

Com relação à possível aceitação da OneCoin como meio de pagamento em estabelecimentos comerciais no Chile, Brito publicou em setembro de 2018 uma imagem na qual um aviso é observado com as palavras «Onecoin aceito aqui»

“Você começará a ver esses logotipos em breve em muitos negócios no Chile. Começaremos com a usabilidade global da criptomoeda OneCoin. Já existem no mundo mais de 77 mil comerciantes que o aceitam como forma de pagamento em apenas 1 ano e 8 meses no comércio eletrônico.”

OneCoin
Brito compartilhou imagens e vídeos relacionados ao OneCoin em sua página no Facebook. Fonte: Facebook de Óscar Brito.

O que foi a OneCoin?

A OneCoin é considerada uma das maiores fraudes na história das criptomoedas .

A iniciativa foi promovida por Ruja Ignatova , da Bulgária , que conseguiu arrecadar mais de R$30 milhões de dólares entre investidores de 175 países.

Um irmão de Ignatova, chamado Konstantin Ignatov , admitiu em novembro do ano passado seu envolvimento no esquema de ponzi.

O homem se declarou culpado de lavagem de dinheiro e fraude .

    Veja Também

      Mostrar mais