Brasil Econômico

Dados da Controladoria-Geral da União e do Tribunal de Contas do estado de São Paulo ( TCE-SP ) aponta que 7.924 servidores ativos ou inativos do estado e de munícipios de São Paulo, tirando os da capital, podem ter recebido o auxílio emergencial pago pelo governo federal por conta do novo coronavírus (Sars-Cov-2) . A informação foi divulgada primeiramente pelo portal G1, nesta sexta-feira (19).

Leia também:

Banco do Brasil tem 48h para suspender anúncios em sites de fake news, entenda

TIM transforma multa de R$ 639 milhões em investimento em 4G, entenda

Homem que enterrou o pai sozinho receberá indenização de R$ 5 mil da prefeitura

O Tribunal de Contas apontou que as pessoas não seriam elegíveis para receber o auxílio. Ou seja, não se enquadrariam nas regras para sacarem o dinheiro.

A análise técnica dos órgãos orienta que o estado de São Paulo e os municípios notifiquem seus servidores individualmente para que retornem os recursos que foram recebidos irregularmente. Os servidores que não devolverem poderão responder civil, administrativa e criminalmente pela apropriação indevida de recursos públicos. Cada servidor pode se explicar se realizou a solicitação do auxílio ou não.

Cerca de 8 mil servidores receberam indevidamente em SP, diz TCE
Lucas Tavares / Zimel Press / Agência O Globo
Cerca de 8 mil servidores receberam indevidamente em SP, diz TCE

O TCE de SP não definiu um prazo para a devolução dos recursos. Segundo o Tribunal, "cada órgão deverá solicitar a cada servidor a regularização de sua situação".

O governo de São Paulo afirmou em nota que, assim que receber a notificação do TCE, encaminhará para as secretarias onde esses servidores atuam para apuração preliminar. Caso seja confirmado algum indício de irregularidade, os casos serão encaminhados à Corregedoria Geral da Administração ( CGA )".

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários