Brasil Econômico

dolar
MARCELLO CASAL JR./AGÊNCIA BRASIL
É o maior patamar do dólar desde 1º de junho

O dólar teve nesta quinta-feira (18) a sétima alta consecutiva e fechou com valorização de 2,1%, em R$ 5,37.  É o maior patamar do dólar desde 1º de junho, revertendo a queda acumulada no mês e subindo além.

Leia:
Weintraub pode ganhar até US$ 250 mil por ano no Banco Mundial
EUA tem mais de 1 milhão de pedidos de seguro-desemprego pela 13ª semana seguida

O cenário internacional mostra incertezas com a volta da Covid-19 em províncias chinesas. Já o Brasil teve reviravoltas políticas com a prisão de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), além da saída de  Abraham Weintraub do ministério da educação, podendo obter cargo no Banco Mundial.

Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, fechou em alta de 0,6%, a 96.125,24 pontos, no terceiro pregão seguido em alta. Na quarta-feira (17), o dólar tinha fechado em R$ 5,261.

Reflexos da decisão Banco Central de cortar os juros à nova mínima histórica foram sentidos nesta quinta-feira pelo mercado. O Comitê de Política Monetária (Copom) cortou ontem a Selic a 2,25% ao ano, menor taxa desde 1999.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários