Brasil Econômico

presidente da Caixa
-
Presidente da Caixa divulgou a compra de equipamentos de proteção para funcionários

Em coletiva de imprensa nesta terça-feira (26), o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, explicou as ações de proteção aos funcionários contra a Covid-19. Entre elas, o presidente divulgou a compra de equipamentos de proteção individual (EPIs) para os funcionários. 

"Nós compramos mais de 800 mil máscaras e distribuímos nas agências, mais de 650 mil litros de álcool em gel (...) e 15 mil protetores faciais, um protetor de acrílico que basicamente todas as pessoas que têm um contato direto [com o público] têm esse protetor. Esse protetor é oferecido, é basicamente mandatório", afirmou.

No entanto, na mesma coletiva, o presidente afirmou que há 35 mil funcionários trabalhando nas agências durante a pandemia para o pagamento do auxílio emergencial para a população. O número variou: em coletivas no início deste mês, Guimarães citava  40 mil funcionários; em vídeo durante reunião ministerial no dia 22 de abril, falou em 30 mil . Na melhor das hipóteses, apenas metade dos funcionários que estão trabalhando em agências terão um protetor faciail.

Perguntada ontem sobre o número total de funcionários, o número dos que atuam no atendimento e a quantidade em home office, a Caixa não respondeu.  No entanto, por telefone, a assessoria afirmou que o número que o presidente cita – que varia entre 30 e 40 mil funcionários – se refere ao atendimento para pagamento do auxílio nas agências.

As coletivas de imprensa também mudaram nas últimas semanas. Antes, o tempo para perguntas era exclusivo para jornalistas. Nesta terça-feira, a maioria das questões respondidas foi enviada por internautas com dúvidas básicas, como sobre o pagamento do auxílio em lotéricas e como usar os aplicativos.

Segundo um funcionário da Caixa que quis não se identificar, na agência em que trabalha, no estado do Rio de Janeiro, houve distribuição de álcool em gel e as máscaras estão sendo usadas voluntariamente. 

Mas ele afirma também que a compra e distribuição de proteção facial de acetato para o rosto foram realizadas pela Fundação Nacional do Economiários, e não pela Caixa. Além disso, na sua agência, apenas os gerentes receberam a proteção facial. "Não estão usando, mas parece que é por conta da dificuldade de adaptação", disse ele.

"Temos a sensação de que cada agência é uma empresa diferente. Nem todas as decisões são padronizadas, salvo aquelas que estão normatizadas", disse o funcionário sobre as ações de proteção aos trabalhadores contra a Covid-19.

Leia: Caixa segue calendário de pagamentos nesta semana, veja quem recebe

Erramos: Anteriormente, essa matéria dizia que "Segundo um funcionário da Caixa (...) não houve distribuição de álcool em gel e as máscaras estão sendo usadas voluntariamente", mas o fato é que houve distribuição. O texto foi atualizado e está correto.

    Veja Também

      Mostrar mais