Tamanho do texto

Lançada em Nova York, coleção foi criticada por sobreviventes e familiares de vítimas; estilista defende obra e diz que críticos não entenderam a ironia

moletons com furos de bala arrow-options
Reprodução/Instagram @bstroy.us
Modelos de moletons apresentam diversos furos para lembrar os tiroteios em escolas nos Estados Unidos

Se a ideia era colocar o dedo na ferida, a marca de streatwear norte-americana Bstroy acertou. Em seu desfile, ocorrido no último fim de semana em Nova York, modelos vestiam moletons com furos de balas e estampavam o nome das escolas onde os maiores ataques de atiradores aconteceram nos Estados Unidos.

Empresa se recusa a fazer convite de casamento gay e vence causa na Justiça

Os moletons citam, por exemplo, Columbine High School , onde 13 pessoas foram mortas em 1999, Virgínia Tech, onde 32 pessoas foram mortas em 2007, Sandy Elementary School, onde 26 pessoas morreram em 2012, e Marjory Stoneman Douglas High School, em que 17 foram mortos em 2018. As informações são do jornal americano Washington Post.

No domingo um dos donos da marca Brick Owens , postou fotos das roupas no Instagram com grande repercussão. Na terça-feira à tarde a publicação já estava bombardeada com críticas de sobreviventes de violência armada e familiares das vítimas.

Cervejaria se manifesta contra LGBT e “não teme perder clientes por isso”

"Em que cenário alguém poderia pensar que era uma boa idéia?", Twittou Fred Guttenberg, cuja filha morreu no tiroteio de Stoneman Douglas . "Isso me deixa tão chateado”, acrescentou na rede social.



A tia de outro aluno que morreu em Parkland, na Flórida, disse à empresa: “Você deveria ter vergonha de aproveitar a morte dela para ganhar dinheiro”, afirmou.



Resposta

A Bstroy não respondeu imediatamente ãs mensagens de terça-feira, mas no Instagram, a empresa sugeriu que a linha de roupas , chamada Samsara, era para ser irônica.  “Às vezes a vida pode ser dolorosamente irônica”, se lê na publicação. 

“Como a ironia de morrer violentamente em um lugar que você considera um ambiente seguro e controlado, como a escola. Somos lembrados o tempo todo da fragilidade, falta e imprevisibilidade da vida, mas também somos lembrados de seu potencial infinito”, diz a postagem de Owens, em tradução livre.

Ver essa foto no Instagram

SAMSARA

Uma publicação compartilhada por (🐝). (@brickowens) em


O estilista também respondeu as críticas em um e-amil enviado ao programa “Today” da rede de televisão NBC. "Queríamos falar sobre a violência com armas por ser um tipo de violência que precisa de atenção preventiva", escreveu o designer.

modelo com moleton arrow-options
Reprodução Instagram @brickowens
Coleção foi criticada nas redes sociais por familiares de vítimas dos tiroteios

Ele também sugeriu que críticas à coleção estavam enraizadas no preconceito, já que ele e seu sócio Dieter Grams são jovens homens negros. "Também está embutido o fato de que nossa imagem de jovens negros não é tradicionalmente creditada pela introdução de idéias de vanguarda", escreveu. 

“Muitas pessoas supuseram que nossa mensagem era preguiçosa apenas por causa do que elas aprenderam sobre homens negros . Esses moletons foram feitos com todas essas intenções em mente e para explorar todas essas questões sociais”, acrescentou.

Comercialização

Inicialmente, a empresa declarou que as peças foram criadas como uma obra de arte e não deveriam ser vendidas. Porém, em seguida, a Bstroy afirmou que está considerando colocá-las à venda.

Veja também: Natura lança propaganda com beijo lésbico e internautas pedem boicote

“Os moletons só foram mostrados não vendidos e foram inicialmente destinados apenas ao desfile e não à venda, mas podemos mudar agora”, disse a empresa ao site the Cut.

Os críticos sugeriram que ganhar dinheiro  com a coleção seria um insulto aos sobreviventes. "Tão ofensivo !!", twittou Christine Pelosi , uma autoridade do Comitê Nacional Democrata e filha da presidente da Câmara, Nancy Pelosi (D-Calif.), Em resposta ao post de Guttenberg. "Revolto ao ver bstroy monetizar sua dor."


Os sócios fundaram a Bstroy em 2012.  A marca já realizou um desfile de moda em uma funerária, dizendo que suas roupas foram projetadas para um mundo pós-apocalíptico.