Tamanho do texto

Em entrevista, o presidente ainda listou uma série de consequências para o País caso a proposta não seja aprovada: "Dólar lá em cima, Bolsa lá embaixo"

bolsonaro dando entrevista
Alan Santos/Presidência da República
"Se não aprovarmos a reforma da Previdência, nós não temos futuro aqui em nosso Brasil", alertou o presidente Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou nesta terça-feira (30) que não há alternativa à reforma da Previdência e que, sem ela, "não temos futuro aqui em nosso Brasil". Em entrevista ao vivo ao programa Brasil Urgente, na TV Bandeirantes , Bolsonaro previu que, sem a aprovação de uma reforma o "mais ampla possível", "o dólar iria lá para cima, a Bolsa, lá para baixo, o desemprego se agravaria e o caos seria instalado no Brasil."

Leia também: Não posso interferir, só dou sugestões, diz Bolsonaro sobre juros do BB

"Não temos outra alternativa. Se não aprovarmos a reforma da Previdência  da forma mais ampla possível, sem ser desidratada por parte do Parlamento, nós não temos futuro aqui em nosso Brasil. Com toda certeza o dólar iria lá para cima, a Bolsa, lá para baixo, o desemprego se agravaria e o caos seria instalado no Brasil", alertou o presidente.

Bolsonaro ainda disse ter recebido de investidores, nas viagens que fez aos Estados Unidos e a Israel, a mensagem de que a reforma seria "o sinalizador de que estamos fazendo o nosso dever de casa". "Há muita promessa, e eu pedi para que transforme em realidade, de que, em se aprovando a reforma da Previdência, vai sobrar dinheiro no Brasil para investimentos. Desta forma, podemos aquecer nossa economia", completou.

O presidente também disse ter confiança na Câmara dos Deputados, no Senado e na população brasileira "que não se deixa enganar por  fake news  [notícias falsas] dizendo que a reforma da Previdência vai trazer o caos e o sofrimento para a população". Segundo Bolsonaro, grande parte do sacrifício imposto pela reforma virá dos servidores.

Leia também: Relator da reforma defende idade mínima e fim da integralidade para servidores

"No Brasil, os mais pobres já se aposentam com mais de 60 anos de idade. Nós estamos botando 65 para homem, 62 para mulheres. As mulheres se aposentam com 61 anos e meio de idade, sim. Agora, esse sacrifício virá mais junto aos servidores, aos funcionários públicos que ganham acima de R$ 10 mil. Quem ganha abaixo de R$ 10 mil não vai sentir tanta diferença", garantiu.

Derivados de petróleo

ministro paulo guedes
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Bolsonaro defendeu a proposta de Paulo Guedes de "quebrar alguns monopólios" para reduzir o preço do gás de cozinha

Questionado sobre o preço do gás de cozinha, Bolsonaro defendeu a proposta do ministro da Economia, Paulo Guedes , de "quebrar alguns monopólios", o que permitiria reduzir o preço do gás de cozinha pela metade em até dois anos . Bolsonaro, porém, atribuiu "grande parte da responsabilidade pelo preço alto do combustível" aos impostos estaduais.

"Quando se fala em combustível alto, grande parte são os impostos estaduais, o ICMS [Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços]. O pessoal culpa o governo federal. É claro que nós temos nossa parcela de culpa, mas a grande parte da responsabilidade pelo preço alto do combustível é o ICMS , que está em 30%, em média, no Brasil, além de outros impostos", disse.