Tamanho do texto

Ministra da Agricultura, Teresa Cristina diz que, se havia 'incômodo' sobre relações Brasil x Israel, já foi superado; encontros devem ser individuais

Jair Bolsonaro e Teresa Cristina
Carolina Antunes/PR
Segundo ministra, ideia do presidente é evitar maiores perda para o agronegócio

O presidente da República, Jair Bolsonaro , receberá, individualmente, embaixadores de países árabes para conversas. O principal tema dos encontros deve ser o futuro do agronegócio brasileiro.

A decisão do presidente tem como objetivo minimizar, dentro da comunidade árabe e dos demais países de maioria muçulmana, o impacto negativo das posições recentes do governo em relação a Israel. Dessa forma, o governo quer evitar perdas para o setor do agronegócio , que tem nos países árabes um grande destino exportador.

Leia também: Bolsonaro diz que "exército não matou ninguém" sobre tiros em músico

Na manhã deste sábado, dia 13, o presidente recebeu, no Palácio Alvorada, a ministra da Agricultura , Tereza Cristina , para alinhar esta e outras pautas da agropecuária. "Agora ele vai receber alguns embaixadores, a gente vai começar a marcar. Mas está tudo alinhado", disse a ministra ao Jornal O Globo, logo após deixar o Alvorada.

A visita não constava da agenda oficial do presidente ou da ministra, que foi recebida no escritório da residência oficial. "Vim conversar com ele uma série de coisas sobre nossa agricultura e trazer uma cesta de produtos que eu ganhei para dar a ele", revelou a ministra.

Na noite da última quarta-feira, Bolsonaro participou de um jantar com embaixadores de 37 países de maioria muçulmana, incluindo os árabes. Também participaram do jantar o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e a ministra Tereza Cristina.

O jantar foi organizado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil ( CNA ) e pelo Ministério da Agricultura, e foram convidados embaixadores de 40 países. O objetivo foi fortalecer parcerias comerciais entre o agronegócio brasileiro e os países islâmicos.

Leia também: "Falei que não entendia de economia", diz Bolsonaro após intervenção ao diesel

O jantar aconteceu dez dias após Bolsonaro anunciar, durante visita a Israel, a abertura de um  escritório comercial na cidade de Jerusalém.A decisão deixou os países árabes incomodados com o Brasil.

"Se tinha algum incômodo, agora está tudo alinhado com o discurso dele lá no jantar. Foi muito positivo. O Brasil é um país de todos", destacou a ministra logo após deixar o Alvorada. Ela revelou ainda que foi uma visita de rotina e que temas mais “complicados”, como a determinação para a Petrobras não reajustar o diesel, não entraram na pauta.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.