Tamanho do texto

Segundo estudo, PIB precisaria crescer 5,7% em 2019 e 2020 para que País não registre "pior década"; estimativas foram reduzidas para os dois anos

PIB brasileiro deve terminar o ano com alta de 2%, de acordo com analistas escutados pelo Boletim Focus
shutterstock
PIB brasileiro deve terminar o ano com alta de 2%, de acordo com analistas escutados pelo Boletim Focus


Analisas do mercado financeiro reduziram as projeções para o crescimento da economia brasileira nos anos de 2019 e 2020. De acordo com o Boletim Focus, produzido semanalmente pelo Banco Central (BC) e divulgado nesta segunda-feira (25), o PIB do País deve ficar em 2% neste ano e 2,78% no ano que vem.

Essa é a quarta queda consecutiva da previsão de alta do PIB para este ano. Na semana passada, o relatório do BC já havia baixado o índice de 2,28% para 2,01% . Hoje, a expectativa cai mais 0,1 ponto percentual (p.p), atingindo 2%.  Para 2020, a estimativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), que mede todos os bens e serviços produzidos pelo País, caiu de 2,80% para 2,78.

A previsão do  Boletim Focus  para o crescimento da  economia brasileira  no fim deste ano é similar à da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), que  ficou em 1,9% na última previsão , em 6 de março.

Apesar das dimunições para este ano e o próximo, os especialistas do mercado mantiveram as projeções para 2021 e 2022 em 2,50%, número que já vem sendo registrado há algumas semanas.

Entre 2011 a 2020, PIB do Brasil deve crescer apenas 0,9% ao ano, diz FGV

Baixo crescimento do PIB pode resultar em nova
iStock
Baixo crescimento do PIB pode resultar em nova "pior década" brasileira, segundo a FGV. Última aconteceu em 1980, há 210 anos


Um estudo feito pelo Instituto Brasileiro de Economia, da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV), prevê que a década que vai de 2011 a 2020 o Brasil deve registrar o pior crescimento do PIB dos últimos 120 anos. Segundo o Ibre, dentro desses dez anos, a alta do PIB do País deve ser de 0,9% a cada ano.

Para calcular esses dandos, a pesquisa usa como base a série história do PIB, feita pelo Instituto de Pesquisas Econômica Aplicada (Ipea) e as projeções para 2019 e 2020 do Boletim Focus, do Banco Central.

A pesquisa aponta que o valor de 0,9% é quase metade do crescimento registrado na "década perdida", que aconteceu nos anos 1980, quando o PIB avançou, em média, 1,6% ao ano.

Leia também: PIB brasileiro cresce 1,1% em 2018 e revela recuperação lenta; entenda

O Ibre diz, ainda, que para que o País se livre de ser a nova "pior década", precisa avançar "em termos reais, 5,7%, tanto em 2019 quanto em 2020", o que considera "bastante improvável".

Até o momento, a média de crescimento do PIB brasileiro é de 0,6% ao ano, considerando a época entre 2011 e 2018. 

Outras previsões do Boletim Focus

Além do PIB, o Boletim Focus também faz previsões para a inflação, dólar e taxa Selic
Reprodução
Além do PIB, o Boletim Focus também faz previsões para a inflação, dólar e taxa Selic


Além do PIB , o Boletim Focus também revelou as projeções de outros importantes índices econômicos. Para Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial do País, a estimativa permanece inalterada: de 3,75% neste ano, resultado dentro da meta de inflação, que é de 4,25% com intervalo de tolerância entre 2,75% e 5,75%.

Leia também: Dólar vai a R$ 3,90 e atinge maior valor do ano; Bovespa fecha em queda de 3,1%

Outras expectativas foram mantidas, com a da taxa básica de juros (Selic), que deve permanecer em 6,5% ao ano em 2019, em seu mínimo histórico, e para o dólar, que também continuou com cotação de R$ 3,70 para o fim deste ano e R$ 3,75 no próximo.