Tamanho do texto

Projeção do PIB brasileiro para o fim do ano caiu de 2,28% para 2,011%; já a previsão para a inflação apresentou leve alta, passando de 3,87% para 3,89%

Analistas diminuem expectativa de crescimento para o PIB brasileiro neste ano e projeção cai para 2,01%
iStock
Analistas diminuem expectativa de crescimento para o PIB brasileiro neste ano e projeção cai para 2,01%


Analistas do mercado financeiro reduziram, pela terceira vez consecutiva, as expectativas para o crescimento da economia brasileira no fim do ano. De acordo com dados do Boletim Focus, divulgado nesta segunda-feira (18) pelo Banco Central (BC), a previsão de expansão do Produto Interno Bruno (PIB) caiu de 2,28% para 2,01% em 2019.

A projeção do PIB , que é a soma de todos os bens e serviços produzidos pelo País, era de crescimento de 2,30% no dia 4 de março. Na semana passada, o Boletim Focus apontou queda de 0,2 ponto percentual (p.p) no índice, marcando 2,28% . Com o relatório dessa semana, a estimativa cai mais 0,27 p.p, atingindo 2,01%.

A previsão do Boletim Focus para o crescimento da economia brasileira no fim deste ano é similar à da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), que ficou em 1,9% na última previsão , em 6 de março.

Os analistas consultados pelo BC também estimaram o crescimento do PIB brasileiro para os próximos três anos. Para 2020, a expectativa de expansão da economia se manteve em 2,80%, mesma projeção da semana passada.  O mesmo padrão apareceu na estimativa para 2021 e 2022, que seguiram em 2,50%

Além do PIB, relatório fez previsões para inflação e dólar

Boletim Focus também faz outras previsões além do PIB, como dólar e inflação
shutterstock
Boletim Focus também faz outras previsões além do PIB, como dólar e inflação


Apesar da queda nas projeções do PIB do Brasil , o BC elevou a previsão para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial do País, de 3,87% para 3,89% em 2019.

Mesmo com o aumento, o índice permanece dentro da meta de inflação estipulada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) para o fim deste ano, que é de 4,25% com intervalo de tolerância entre 2,75% e 5,75%.

Para 2020, a previsão é de que o IPCA permaneça em 4% (dentro da meta para o ano, que é de 4% também) e, para 2021 e 2022, as projeções ficaram congeladas e continuaram em 3,75%.

Leia também: Mesmo com tragédia de Brumadinho, Vale deve lucrar em 2019

Além do PIB e da iflação, há a análise do dólar, em que as expectativas também se mantiveram: é esperado que a moeda americana termine o ano de 2019 cotada a R$ 3,70, com um ligeiro aumento em 2020: R$ 3,75.

*Com informações da Agência Brasil