Tamanho do texto

Leilão aconteceu nesta sexta-feira (15) e foi o primeiro realizado em blocos; concessões durarão 30 anos e preveem R$ 3,5 bilhões em melhorias. Veja

12 aeroportos de três regiões brasileiras foram leiloados nesta sexta-feira (15); concessões valerão por 30 anos
Tânia Rêgo/Agência Brasil
12 aeroportos de três regiões brasileiras foram leiloados nesta sexta-feira (15); concessões valerão por 30 anos


O governo federal conseguir arrecadar, à vista, R$ 2,377 bilhões com o leilão de concessão de 12 aeroportos brasileiros, que aconteceu nesta sexta-feira (15), na B3, antiga Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo.

Leia também: Governo de SP estuda privatização da Sabesp; Meirelles fala em "consenso"

Entre os leiloados, estão aeroportos tanto turísticos quanto de negócios e industriais de três regiões do Brasil: Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste. Juntos, eles respondem por 9,5% do mercado doméstico, recebendo 20 milhões de passageiros por ano, de acordo com informações da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Além do valor recebido à vista pelo governo, as regras do leilão preveem ainda uma outorga variável que será paga ao longo dos 30 anos de concessão. O valor estimado é de R$ 1,9 bilhão para os três blocos de aeroportos concedidos. Além disso, o investimento previsto nos 12 aeroportos ao longo do período de concessão é de R$ 3,5 bilhões.

Na primeira vez em que o leilão ocorreu pelo modelo de concessão em blocos, empresas estrangeiras dominaram o evento, arrematando os blocos Nordeste e Sudeste. A arrecadação prevista, de R$ 2,1 bilhões, foi superada, e o valor mínimo fixado pelo edital para o valor de outorga inicial foi ultrapassado em R$ 2,158 bilhões. O ágio médio do leilão foi de 986%. Os compradores irão levar os aeroportos em conjunto, e não mais individualmente, como acontecia anteriormente.

A organização em grupos, que foi decidida pelo Programa de Parceria de Investimento (PPI), está relacionada à maior vocação de uso dos terminais: os do Nordeste para o turismo, os do Centro-Oeste para o agronegócio e os do Sudeste para atividades empresariais ligadas ao setor de energia, como petróleo e gás. Confira os detalhes dos blocos e os compradores:

Nordeste  (aeroportos turísticos) – Aena, empresa espanhola – R$ 1,9 bilhão, traz um ágio de 1.010%, além de um investimento previsto de R$ 2,153 bilhões, sendo R$ 788 milhões nos primeiros cinco anos de contrato (que tem duração de 30 anos):

  • Recife (PE);
  • Maceió (AL);
  • Aracaju (SE);
  • Juazeiro do Norte (CE);
  • João Pessoa (PB);
  • Campina Grande (PB).

Sudeste  (aeroportos da indústria de petróleo e gás) – Zurich, empresa suíça – R$ 437 milhões, ágio de 830% sobre o valor mínimo, que era de R$ 46,9 milhões. O grupo já administra os terminais de Florianópolis e Confins (MG) no País:

  • Vitória (ES);
  • Macaé (RJ).

Centro-Oeste (aeroportos do agronegócio) – Consórcio Aeroeste, formado por Socicam Terminais Rodoviários (85%), que administra o terminal rodoviário do Tietê, em São Paulo; e Sinart Sociedade Nacional de Apoio Rodoviário e Turístico (15%) – R$ 40 milhões, ágio de 4.739% sobre valor mínimo de outorga, de R$ 800 mil:

  • Cuiabá (MT);
  • Sinop (MT);
  • Rondonópolis (MT);
  • Alta Floresta.

Este foi o primeiro primeiro leilão de concessão de aeroportos do governo Bolsonaro e o quinto da história brasileira. Com as vendas desta manhã, o número de aeroportos administrados pela iniciativa privada no país subirá de 10 para 22. Ao todo, nove empresas chegaram a fazer propostas no leilão em São Paulo. 

No Twitter, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, apontou o sucesso do leilão, citando as empresas e os valores de cada concessão. Confira:

Atualmente, sete operadoras internacionais já atuam no Brasil: o grupo suíço Zurich Airport (Florianópolis e Confins), o alemão Fraport (Fortaleza e Porto Alegre), os franceses Egis (Viracopos) e Vinci Airports (Salvador), o argentino Corporación América (Brasília e São Gonçalo do Amarante), Changi Airports, de Cingapura (RIOgaleão), e a Airport Company South Africa, da África do Sul (GRU Airport).

Leia também: Doria volta a falar em privatização do Porto de Santos, aeroportos e rodovias

Segundo o secretário de Aviação Civil, Roney Glanzmann, é a primeira vez que o leilão de concessão acontece em blocos. “Nos unimos aeroportos mais atrativos, de maior volume de passageiro e carga, com aeroportos menores da aviação regional”, disse.

Ele também afirmou que espera que o evento seja animado. "Estamos esperando um leilão bastante competitivo, muitos operadores estrangeiros e brasileiros, todos de primeira linha que já operam grandes aeroportos pelo mundo devem participar”, explicou. "Já tem mais de um ano que estamos falando semanalmente com esses operadores estrangeiros e todos estão animados com essa modelagem de concessão do governo federal. Acreditamos que vamos atrair grandes operadores mundiais de aeroportos."

Aeroportos devem receber R$ 3,5 bilhões em melhorias

Aeroportos leiloados devem receber R$ 3,5 bilhões em melhorias; taxas para os passageiros não devem aumentar
Tânia Rêgo/Agência Brasil
Aeroportos leiloados devem receber R$ 3,5 bilhões em melhorias; taxas para os passageiros não devem aumentar


Com a privatização desses aeroportos, o governo espera que, em cada bloco, os ganhadores das concessões invistam R$ 3,5 bilhões em melhorias durante 30 anos. No ano de 2019, segundo dados da ANAC e do Ministério da Infraestrutura, são esperadas movimentações milionárias nos três grupos leiloados. No Nordeste, a expectativa é de R$ 13,2 milhões, a maior das três. No Sudeste e no Centro-Oeste as movimentações esperadas são de R$ 3,3 milhões e R$ 3,2 milhões, respectivamente.

Segundo o acordo, os vencedores deverão fazer, de primeira, melhorias em banheiros, sinalizações de informação, internet wi-fi gratuita, sistemas de climatização, escadas e esteiras rolantes e elevadores.

“Na experiência que nós temos com a concessão de aeroportos, melhora bastante a qualidade de serviço para a população. Melhora porque recebe investimento, são atraídos novos parceiros comerciais, grandes marcas de alimentação e varejo. O nível de conforto e a experiência de viagens dos passageiros têm melhorias significativas”, declarou o secretário.

Leia também: Petrobras, Caixa e BB serão as únicas estatais preservadas, afirma secretário

Ele também ressaltou que, apesar do leilão, as concessões desses aeroportos não preveem "em hipótese alguma qualquer aumento de tarifa ou onera de qualquer jeito o passageiro. Ele vai continuar pagando a mesma taxa de embarque de que ele já paga hoje nos aeroportos operados pela Infraero”, explicou.